Taxa de desemprego em fevereiro cai para 11,7% – Jornal do Comércio

A taxa de desemprego da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) passou de 12,1% da População Economicamente Ativa (PEA), em janeiro, para 11,7%, em fevereiro de 2018. Durante o período foram criados 8 mil postos de trabalho, que representam acréscimo de 0,5% frente ao mês anterior e trazem, pela primeira vez desde a metade de 2015, a notícia do aumento da ocupação com carteira assinada. Os dados são do informe mensal da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre (PED-RMPA), divulgado na sede da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (Fgtas).

Durante a apresentação do estudo, a técnica da Fgtas Cláudia da Rosa destacou que o tempo médio de procura por emprego na RMPA reduziu de 47 semanas (em janeiro) para 45 semanas (em fevereiro). “No mês passado, o contingente de trabalhadores desempregados foi estimado em 219 mil pessoas, e o número de ocupados em 1,6 milhão”, aponta Cláudia. Já as vagas criadas ocorreram na indústria de transformação, “único setor econômico que apresentou aumento no período – mais 10 mil postos ou 3,6% -“, de acordo com a coordenadora da pesquisa da Fundação de Economia e Estatística (FEE), Iracema Castelo Branco.

“Quando os resultados na indústria são positivos, o cenário é melhor porque são empregos de qualidade, com carteira assinada e mais garantias”, aponta Iracema. No entanto, conforme a economista da FEE Cecília Hoff, o crescimento do emprego na indústria é recente e o número de trabalhadores empregados neste setor ainda está muito próximo do observado em 2017. Na comparação anual, o único setor que apresentou uma elevação mais significativa do emprego foi o comércio, observa Cecília, destacando ainda que, apesar da taxa de desemprego ter caído por dois meses consecutivos – uma vez que em janeiro (12,1%) houve queda frente a dezembro (12,8%) de 2017 – o contingente de pessoas economicamente ativas que ainda estão procurando trabalho é alto frente a todo período do ano passado. “Os dados de fevereiro mostram um nível alto de desemprego”, avalia a economista.

Entre fevereiro de 2017 e fevereiro de 2018, a taxa de desemprego total aumentou de 10,8% para 11,7% da PEA na RMPA. No mesmo período, o índice aberto inflou de 9,5% para 10,5%. “Em um prazo mais longo, o setor que mais gerou emprego foi o comércio, e a maioria sem carteira e autônomo”, observa Cecília. No mês passado, o setor de construção manteve-se estável e os de serviços e de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas registraram redução. Houve queda de 0,5% no número de postos do setor de serviços e de 1,1% no comércio. Juntos, os dois setores perderam 8 mil postos (4 mil cada).

No que se refere à posição na ocupação, houve aumento no número de trabalhadores com carteira assinada (mais 12 mil ou 1,2%) e de empregados domésticos (mais 2 mil ou 2%). Já os índices das demais posições e sem carteira mantiveram-se estáveis. Somente o número de trabalhadores autônomos diminuiu, com menos 7 mil (ou -2,7%). Cecília Hoff observa que as novas regras trabalhistas “ainda não contribuíram para um aumento significativo de empregos, conforme foi previsto pelo governo”. “Mas é possível que ainda possa acontecer”, pondera.

Já a renda segue estagnada. Em janeiro de 2018, o rendimento médio real foi estimado em R$ 1.923,00 para o total de ocupados; sendo R$ 1.977,00 para os assalariados e R$ 1.572,00 para os autônomos. Após a apresentação da pesquisa, o diretor técnico da Fgtas, Darci Cunha, afirmou que a pesquisa é fundamental para a elaboração de políticas públicas e ressaltou o trabalho das Agências Fgtas/Sine na área de intermediação de mão de obra.

A Pesquisa de Emprego e Desemprego é realizada na Região Metropolitana de Porto Alegre há 26 anos, por meio de uma parceria firmada entre Fgtas, FEE e Dieese. Em abril, a última edição do estudo será divulgada, e após isso, a série será encerrada. O fim da parceria ocorre por conta do processo de extinção da FEE, que terá parte das atividades continuadas pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), que irá funcionar dentro da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão do Estado.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!