Dólar fecha em alta e supera R$ 3,31 – Valor

SÃO PAULO  –  O dólar fechou em alta ante o real na primeira sessão de abril, mantendo-se acima de R$ 3,30. Porém, a moeda se afastou das máximas e, ao mesmo tempo, perdeu fôlego frente a divisas emergentes, conforme Wall Street se recuperou do ponto mais baixo do pregão.

Mesmo quando os índices em Nova York perdiam cerca de 3%, o mercado de moedas em geral se manteve longe de qualquer onda de vendas. Essa dinâmica é semelhante à vista no “sell-off” de fevereiro passado, quando as divisas emergentes evitaram ajustes mais abruptos mesmo com a liquidação dos mercados de ações.

Aqui, o dólar subiu 0,32%, para R$ 3,3138. Na máxima, a cotação foi a R$ 3,3243, ainda abaixo do pico recente de R$ 3,3447 registrado no fim de março.

Lá fora, o dólar ganhava 0,5% ante o peso mexicano (chegou a subir mais de 1% na máxima do dia), 0,6% contra o rublo russo e apenas 0,1% comparado ao rand sul-africano. Já o S&P 500 caiu 2,23%, para o menor patamar em dois meses.

Segundo Italo Lombardi, estrategista de câmbio do Crédit Agricole em Nova York, a classe de moedas emergentes demonstra resistência por dois motivos. A liquidação em Wall Street tem como origem aspectos relacionados mais a setores específicos (tecnologia em especial). Além disso, os ativos de emergentes têm se beneficiado da dinâmica de crescimento global sincronizado, que, por ora, não parece ameaçada.

De acordo com Lombardi, o contágio pode ocorrer caso fique mais evidente que a economia real nos EUA sofrerá com a turbulência dos mercados. “Não há nada neste momento que indique isso”, diz o estrategista.

Por isso, ele vê o dólar ainda comportado. Aqui, a moeda deverá ter leve depreciação até o fim do ano, fechando a R$ 3,25. No segundo trimestre, porém, alcançará um pico de R$ 3,45 no período de maior nervosismo eleitoral. “Sem ruptura econômica conhecido o resultado das eleições, o real termina 2019 a R$ 3,10 por dólar”, conclui.

Ainda que o real, junto com outras moedas emergentes, possa demonstrar alguma resistência, alguns ruídos seguem no radar e, se piorados, podem colocar em xeque a perspectiva benigna para essa classe de ativos. Os temores de guerra comercial persistem, após a China anunciar taxação de importações de uma série de produtos dos Estados Unidos.

A valorização do yuan no mês passado chegou a ser vista como uma maneira de Pequim acalmar os ânimos de Washington. Mas os receios voltaram à medida que o governo Trump mantém a retórica protecionista e o país asiático responde.

“Riscos comerciais provavelmente chegaram ao pico, mas os riscos de noticiário persistem”, diz o Goldman Sachs em nota a clientes.

No plano doméstico, o noticiário eleitoral ganha corpo e deve ser argumento para mais volatilidade. “O dólar deve testar em breve os níveis de R$ 3,35”, diz Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso. Ele lembra que em abril haverá definições sobre os candidatos à Presidência da República. O prazo para a desincompatibilização – saída de futuros candidatos às eleições que hoje ocupam cargos públicos – termina no próximo dia 7.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!