Piora do mercado externo faz Ibovespa perder os 85 mil pontos – Valor

SÃO PAULO  –  O dia negativo no mercado americano determinou a queda do Ibovespa nesta primeira sessão do mês de abril. Em reação ao noticiário a respeito da disputa comercial entre Estados Unidos e China e também à discussão sobre uma nova regulamentação para o setor de tecnologia, investidores optaram por fugir do risco em busca de ativos mais seguros, o que se traduziu na queda não apenas das bolsas americanas como também das emergentes.

O Ibovespa terminou a sessão em queda de 0,82%, aos 84.666 pontos. Na mínima, foi aos 84.166 pontos, atingida quando as perdas em Wall Street se acentuaram.

Para o estrategista para renda variável para o Brasil do Itaú BBA, Luiz Cherman, o que está por trás desse movimento negativo, na verdade, o aumento do risco de o PIB americano não crescer como se previa. Esse receio se baseia na visão de que a inflação nos Estados Unidos está se normalizando, o que impediria o Fed de retomar uma política estimulativa caso venha a ser necessário. “Com essa percepção, o mercado acaba atribuindo um peso muito maior a notícias como o aumento do protecionismo dos Estados Unidos e a regulamentação do setor de tecnologia”, diz. “O que está por trás da queda das bolsas é o receio de que, caso esses dois eventos venham a comprometer o crescimento, o Fed não poderá atuar, porque a inflação já está caminhando para 2%”, explica. “O mercado perdeu o refúgio do Fed.”

Esse novo ambiente, diz Cherman, pode tirar da bolsa brasileira um importante argumento para a alta no médio prazo. Ele diz que a recuperação da economia local já provocou o efeito que podia gerar sobre o “valuation” da bolsa já está nas máximas. “A bolsa perdeu o trigger de alta”, diz Cherman. “Acho que teremos que discutir as perspectivas para a bolsa no médio prazo.” O Itaú projeta um Ibovespa a 88.900 pontos no fim do ano, mas acredita que, no curto parzo, a bolsa tende a “patinar” ao redor do patamar atual. “O que limita quedas maiores do Ibovespa é o juro baixo, que estimula migração da renda fixa para ações.”

A queda da bolsa só não foi maior porque Vale ON conseguiu se segurar no terreno positivo (1,87%), sob efeito da mudança na política de distribuição de dividendos da companhia.

Mas Petrobras PN e ON, bastante negociadas por estrangeiros por causa de sua liquidez, caíram, respectivamente, 2,29% e 2,23%, enquanto Itaú recuava 0,58%.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!