Faturamento dos supermercados sobe 1,57% no primeiro bimestre – Jornal do Comércio

Varejo


Notícia da edição impressa de 03/04/2018.
Alterada em 02/04 às 23h31min

Faturamento dos supermercados sobe 1,57% no primeiro bimestre

Cesta dos 35 produtos de largo consumo chegou a R$ 442,88

/ANTONIO PAZ/arquivo/JC

O setor de supermercados teve alta de 1,57% no faturamento em janeiro e fevereiro em comparação com o primeiro bimestre de 2017, segundo balanço divulgado ontem pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em fevereiro, o setor registrou alta de 0,22% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Segundo a Abras, o setor de supermercados foi surpreendido em fevereiro porque os preços de alimentos registraram queda, muito embora fosse esperada uma recuperação de preços após a deflação registrada em 2017. O recuo de preços de alimentos tem afetado o faturamento dos varejistas porque não há, necessariamente, aumento no volume vendido de forma a compensar perdas com a queda de preço. Além disso, a estrutura de custos do varejo não encolheu na mesma velocidade da queda na receita.

O presidente da Abras, João Sanzovo Neto, afirmou que o resultado de fevereiro ficou abaixo do esperado. “Continuamos com a perspectiva de uma retomada nos preços de alguns alimentos de forma gradativa durante 2018”, ressaltou.

Os preços de produtos em supermercados caíram 1,82% em fevereiro na comparação com janeiro, de acordo com a Abrasmercado, cesta composta por 35 produtos de largo consumo pesquisada pela GfK e analisada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras. O preço total da cesta chegou a R$ 442,88 em fevereiro, ante R$ 451,10 em janeiro. Na comparação com fevereiro de 2017, houve queda de 6,27%. Entre as maiores altas de fevereiro estão produtos como cebola, cujo preço subiu 26,1%, e ovo, com alta de 2,8%. Já entre as maiores quedas estão a batata, que recuou 5,45%, e o frango congelado, com queda de 4,91%.

Vendas da Páscoa mostram tendência de recuperação

Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontam que as consultas para vendas parceladas na semana anterior à Páscoa cresceram 3,24% na comparação com o mesmo período do ano passado. Trata-se do crescimento mais expressivo desde 2014, quando a alta foi de 2,55%. Nos anos seguintes, as vendas amargaram queda de -4,93%, em 2015, e de -16,81% em 2016. No ano passado, a alta havia sido de apenas 0,93%.

Na avaliação do presidente do SPC Brasil, os dados positivos confirmam a tendência de recuperação da economia e são consequência da melhora da conjuntura, mas ainda não colocam o País no patamar pré-crise. “Como foram anos seguidos de retração no consumo, essa alta ainda é em cima de uma base muito pequena. Mas, ainda assim, é um sinal consistente de que o brasileiro está voltando ao mercado de consumo”, explica Pellizzaro Junior.

Para Pellizzaro, a alta das vendas na Páscoa é algo positivo, especialmente quando se considera que é a primeira data comemorativa do ano, que encaminha uma perspectiva melhor para as demais datas.

“A Páscoa pode funcionar como uma prévia não só para o Dia das Mães, como para o desempenho da atividade comercial ao longo de 2018. Aos poucos, os consumidores se sentem mais confiantes para voltar a consumir e é um alento para o varejo começar a dar sinais sólidos de recuperação”, afirma o presidente do SPC Brasil.

Já o levantamento realizado pela Boa Vista SCPC indica alta de 3,2% nas vendas de Páscoa neste ano no País ante igual período de 2017. Este é o segundo ano consecutivo de avanço, dado que as vendas do período cresceram 2,2% em 2017, após a forte retração de 5,8% em 2016.

Segundo análise da Boa Vista SCPC, a Páscoa é a primeira data comemorativa do ano e já refletiu a recuperação em andamento no comércio varejista brasileiro desde o ano anterior.

“Com a perspectiva de melhoria do cenário econômico, com redução na inflação e nos juros, e recuperação do mercado de trabalho, o comércio deve continuar em tendência de alta”, observa a instituição em nota.

FCDL-RS projeta aumento de até 8% nas comercializações de outono

O outono, que começou no dia 20 de março, promete ser de boas vendas para o comércio varejista gaúcho. De acordo com levantamento do Departamento de Economia da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS), as projeções indicam alta da venda de produtos entre 6% a 8% na comparação com o mesmo período de 2017.

“O crescimento de vendas será fortemente influenciado pelos bens duráveis, especialmente veículos, produtos eletroeletrônicos e informática, além de artigos do vestuário, a exemplo do que já acontece desde o último semestre do ano passado. Mais do que a recuperação do emprego, a alta está sendo influenciada fortemente pela queda da taxa de juros, o que tem incentivado os tradicionais poupadores a investir na aquisição de bens materiais”, destaca o presidente da
FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.

Embora menos intensa, a expansão das vendas de produtos não duráveis (supermercados e farmácias, entre outros) também deve crescer acima de 4%, fruto da recuperação do emprego e do aumento da massa salarial gaúcha. No primeiro bimestre de 2018, a economia gaúcha gerou um saldo positivo de 30,8 mil postos de trabalho, alta de 64,4% diante do mesmo período do último ano.

“Esse bom resultado pode ser melhor, caso a queda de juros que presenciamos atualmente tenha alguma repercussão no custo do crédito ao consumidor, o que não está acontecendo. O nosso sistema financeiro oligopolizado faz com que os juros das principais fontes de financiamento das pessoas físicas estejam absurdamente elevados, especialmente no rotativo do cartão de crédito, no cheque especial e no empréstimo pessoal. A redução dos juros precisa acontecer com urgência nessa área”, alerta Koch.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!