Opinião econômica: Crescimento e desenvolvimento – Jornal do Comércio

Cinquenta anos atrás, em 27 de março de 1968, São Paulo comemorava a “Viagem do Adeus”. O último bonde da cidade, conduzido por Francisco Lourenço Ferreira, percorreu as avenidas Ibirapuera, Vereador José Diniz e Adolfo Pinheiro até Santo Amaro.

Uma reportagem da Folha de S. Paulo do dia 27 conta que Ferreira, na época o condutor mais antigo da capital, chorou durante a viagem. “Rendo-me ao Progresso”, diziam faixas pregadas nas janelas dos veículos elétricos, cujas linhas chegaram a ter 700 quilômetros na cidade, mas se tornaram sinônimos do atraso. Atrapalhavam o trânsito dos automóveis e provocavam acidentes.

O prefeito da época, Faria Lima, anunciava que a cidade partiria para a modernidade em matéria de transporte coletivo com a companhia do Metrô, criada um mês depois da aposentadoria dos bondes.

Passados 50 anos, com as recentes inaugurações, o metrô de São Paulo tem cerca de 100 quilômetros de extensão. Nesse meio século, portanto, a mais rica cidade do País construiu em média apenas dois quilômetros por ano. A linha de metrô que substituiu o último trajeto dos bondes só foi inaugurada neste ano.

Esse é um exemplo que expõe, de forma dramática, a deficiência dos investimentos em infraestrutura no País. Sabemos todos que, sem a aplicação de recursos nessa área, na indústria e em outros setores essenciais e inovadores, nenhum país pode alcançar o desenvolvimento.

O que vemos no Brasil, entretanto, é o estímulo insistente ao setor financeiro e o abandono persistente dos setores produtivos. Uma compilação do jornal Valor Econômico mostrou que, em plena crise, de 2014 a 2017, as cinco maiores instituições financeiras do País tiveram lucro somado de R$ 244 bilhões. Esse valor superou com folga os ganhos líquidos de R$ 56 bilhões das 307 companhias abertas não financeiras no mesmo período.

Isso não é normal, e as causas da anormalidade são conhecidas. O privilégio do setor financeiro está estampado nas tarifas e nos juros cobrados no mercado, com margens que não cedem nem quando a taxa de juro básica é reduzida, como agora, para menor nível da história recente.

Dados do Banco Central mostram que os juros bancários subiram em fevereiro, mesmo com a queda da Selic e a estabilidade da inadimplência. As taxas médias para empréstimos a pessoas físicas subiram de 55,8% ao ano em janeiro para 57,7% ao ano em fevereiro. A taxa média geral também subiu, de 26,1% para 26,3%, no mesmo intervalo. Para o cheque especial, o juro médio está em 324% ao ano, praticamente o mesmo de um ano atrás, embora a Selic tenha caído de 12,25% para 6,5% no período.

O desprezo ao setor produtivo, exposto a taxas abusivas em todas as linhas de financiamento, levou o País a perder espaço que havia conquistado na produção e na exportação de produtos industrializados. No ano 2000, a participação dos industrializados na pauta de exportação brasileira era de 75%. No ano passado, foi de 51%.

O Bndes, único refúgio para crédito civilizado de longo prazo, está sendo desidratado e pode ser extinto se prevalecer a mentalidade neoliberal dominante, que pouco se lixa para o capital nacional.

Os bondes certamente não voltarão, embora estejam sendo modernizados e retomados em alguns países. Mas o financiamento a projetos de infraestrutura e de modernização industrial pode e deve ser reavivado. É a maneira mais rápida de o País retomar o caminho do crescimento, desenvolvimento e emprego.

Diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional e presidente do conselho de administração da empresa

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!