Petróleo opera em leve alta, após queda forte na sessão anterior – Jornal do Comércio

O petróleo tenta sustentar leves altas na manhã desta terça-feira (3), mas com pouco impulso, ainda diante da cautela com as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China. O quadro impede uma recuperação mais acentuada, mesmo após a queda forte de ontem.

Às 8h28min (de Brasília), o petróleo WTI para maio subia 0,21%, a US$ 63,14 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para junho tinha alta de 0,18%, a US$ 67,76 o barril, na ICE.

Os preços tocaram a mínima em duas semanas na segunda-feira, com o Brent fechando em queda de 2,45% e o WTI, de 2,97%, após a China impor tarifas à importação de produtos dos EUA. A medida de Pequim foi uma retaliação a tarifas americanas à importação de aço e alumínio. Analistas e operadores temem que essas ações possam gerar uma guerra comercial global, o que pesaria no crescimento e consequentemente prejudicaria a demanda por petróleo e derivados.

“A disputa comercial continua a criar ruído no mercado, gerando pressão de baixa em particular nas commodities cíclicas”, como o petróleo, afirmou Norbert Ruecker, diretor de macro e pesquisa em commodities do Julius Baer. Segundo ele, a realização de lucros também pressiona os preços. O Brent chegou a operar acima de US$ 70 o barril antes do feriado da Páscoa, perto da máxima em três anos, apoiado pelo crescente risco geopolítico.

Os preços começaram o segundo trimestre, porém, sob pressão. Além da cautela com o comércio, eles foram prejudicados pela produção de petróleo russa em março e pela confirmação de que a oferta dos EUA superou as expectativas em janeiro, de acordo com analistas da consultoria JBC Energy.

A produção de petróleo da Rússia subiu 20 mil barris ao dia em março, a 10,97 milhões de barris por dia, segundo dados do governo. “É a primeira alta desde dezembro e a produção mais alta em 11 meses, o que leva a produção russa acima do teto combinado” no acordo do país com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), segundo Tamas Varga, analista da corretora PVM Oil Associates. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!