Recuperação industrial segue lenta, afirma CNI – Jornal do Comércio

A indústria brasileira gerou empregos e registrou aumento real em seu faturamento no mês de fevereiro, segundo pesquisa divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Apesar disso, a utilização da capacidade instalada recuou de 78,1% em janeiro para 78,0% no mês seguinte, de acordo com os dados já ajustados.

Para a CNI, a recuperação do setor segue “em ritmo lento”. “Os dados do mercado de trabalho industrial mostram que o emprego segue em trajetória de recuperação, ainda que a melhora em fevereiro tenha sido modesta”, diz a entidade em nota.

O faturamento real subiu 0,5% em fevereiro ante janeiro, já descontados os efeitos sazonais. O crescimento reverte os dados negativos observados nos dois meses anteriores. Na comparação com fevereiro de 2017, a alta foi de 6,5%.

Já o emprego industrial exibiu expansão de 0,1% na passagem de janeiro para fevereiro, também na série dessazonalizada. Mas dados de meses anteriores foram revisados para melhor, incluindo janeiro (-0,5% para 0,1%) e dezembro de 2017 (0,5% para 0,6%). Com isso, o emprego registra sequência de cinco meses sem resultados negativos, alta de 1,3% no período.

Na comparação com fevereiro de 2017, o emprego industrial ampliou 0,5%. “Essa melhora, ainda que lenta, do emprego industrial é muito importante. É sinal de que a confiança do empresário está se traduzindo em aumento da produção e das contratações, apontando para a retomada dos investimentos”, afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo.

As horas trabalhadas, por sua vez, caíram 0,5% em fevereiro ante janeiro, descontados os efeitos sazonais. O resultado interrompe uma sequência de três meses de aumento. Já na comparação com fevereiro de 2017, as horas trabalhadas subiram 1,0%.

A massa salarial real aumentou 1,2% em fevereiro ante janeiro, a segunda alta consecutiva. Em relação ao observado em fevereiro de 2017, a alta foi de 3,4%.

O desempenho da indústria foi positivo em todos os quesitos no primeiro bimestre do ano ante igual período de 2017. O faturamento real avançou 7,3%, enquanto as horas trabalhadas subiram 1,3%. O emprego industrial subiu 0,4%, e a massa salarial real ampliou 1,9%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!