Cade aprova venda de ativos florestais da Duratex para Suzano – Jornal do Comércio

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição de ativos florestais da Duratex no Estado de São Paulo pela Suzano Papel e Celulose. A decisão consta de despacho divulgado no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (4). 

Conforme a Duratex informou em fevereiro, a operação está estruturada em duas etapas. A primeira envolve a aquisição firme de cerca de 9.500 hectares de áreas rurais e os ativos florestais nelas existentes, no valor de R$ 308,1 milhões. Essa etapa deverá resultar no reconhecimento de lucro extraordinário da ordem de R$ 140 milhões, quando concretizada a operação.

A segunda etapa envolve uma opção exclusiva à Suzano, a preços já estabelecidos, de aquisição de outro lote de cerca de 20.000 hectares de áreas rurais e os ativos florestais, a ser exercida até 2 de julho deste ano, totalizando R$ 749,4 milhões. “Se exercida essa opção, a companhia deverá reconhecer um lucro extraordinário da ordem de R$ 360 milhões quando concretizada a operação”, disse a Duratex.

Na ocasião, a Duratex informou ainda que os valores recebidos da Suzano serão direcionados prioritariamente para diminuição significativa do endividamento líquido, reduzindo os custos financeiros e posicionando a companhia em “patamar estratégico de competitividade”. A empresa também ressaltou, em fato relevante, que mesmo após a conclusão desses contratos, manterá florestas e terras remanescentes para abastecimento de todas as suas unidades, sem nenhum impacto de custos em suas operações.

Pelo negócio, a Suzano irá adquirir ativos florestais que Duratex utilizava para a fabricação de chapas finas de fibra de madeira em Botucatu (SP), destinadas a consumo interno do próprio Grupo Duratex. Após a operação, a madeira produzida por esses ativos florestais será inteiramente consumida pela Suzano para a fabricação de celulose. Porém, explica a empresa, em circunstâncias específicas (como excedente da produção de madeira, redução da produção de celulose e chapas de madeira e, consequentemente, redução do consumo de madeira), parte da produção poderá ser comercializada a terceiros.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!