Caixa Seguridade fechou fevereiro com 10% de mercado – Jornal do Comércio

A Caixa Seguridade, braço de seguros e previdência da Caixa Econômica Federal (CEF), atingiu participação de mercado de 10% em fevereiro deste ano e em março deverá ultrapassar o Itaú, com mais de 12%, informou o diretor comercial, Gustavo Fernandes, citando dados obtidos na Superintendência de Seguros Privados (Susep). Em 2017, a participação era de 8,1%.

O crescimento é fruto de investimentos no treinamento e incentivo através de pontuação para a venda de seguros e previdência pelos funcionários da Caixa, disse Fernandes, uma rede de 3.400 agências espalhadas pelo País. Do terceiro trimestre para o quarto trimestre de 2017, o porcentual de funcionários vendedores subiu de 23,5% para 32,9%, e a meta é de que em junho atinja 40% do total de empregados.

O segmento com crescimento mais expressivo foi o da previdência, da ordem de 63%, enquanto o mercado deste segmento subiu apenas 3%. Outro destaque foram as vendas de seguros prestamistas, que tiveram alta de 50,8% no ano passado, informou Fernandes em apresentação para acionistas e analista de mercado na Apimec Rio.

De acordo com Fernandes, o objetivo da empresa é atingir uma participação de mercado nos seguros e previdência de pelo menos 23%, fatia detida hoje pela Caixa no mercado de crédito. “Todos os outros bancos tem market share de seguros e créditos muito próximos, não tem sentido a Caixa ter 23% do mercado de crédito e só 10% do seguro”, afirmou na apresentação.

A empresa pretende fazer em 2019 uma abertura de capital que antes estava prevista para 2016, porém, como o mercado não estava favorável, a opção foi remarcar a ida. Este ano a alternativa foi descartada por causa das eleições, que podem trazer turbulência ao mercado de capitais, segundo o gerente de finanças e relações com investidores, Weles Melo Júnior. Em rápida entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, ele explicou que a tendência é de que seja mantido o free float de 33% anunciados para a oferta de 2016, um pouco mais da metade dos 60% que a Caixa detém hoje na empresa que divide com a estatal francesa CNP Assurances.

“Nossa intenção, claro que dependemos dos dois governos (Brasil e França), mas queremos que esse IPO aconteça a partir de 2019. Por ser um ano de eleição, a gente não acha prudente fazer no segundo semestre deste ano”, explicou.

Também presente da apresentação, o diretor Thiago Souza e Silva, diretor de relações com investidores da Caixa Seguridade, lembrou que dentro da sua reestruturação a empresa negocia quatro joint ventures, sendo uma de capitalização, que está sendo discutida com a Sulacap e Icatu. Nessa parceria a Caixa Seguridade ficará com 50% menos uma ação ON e 70% das ações PN, ou cerca de 60% do capital total.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!