Confiança do consumidor continuou em queda em março – Jornal do Comércio

A confiança do consumidor continuou em queda e caiu pelo segundo mês consecutivo. O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec), divulgado nesta quarta-feira, 4, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), caiu para 101,9 pontos em março, ficando 0,8% menor que o registrado em fevereiro. O indicador continua abaixo da média histórica, de 108 pontos, segundo a CNI, e é praticamente o mesmo de um ano atrás, ainda com recuo de 0,1% na comparação com março de 2017.

“A queda de março mantém o índice em um patamar muito baixo, mostrando a preocupação dos brasileiros com a economia”, diz o economista da CNI Marcelo Azevedo por meio de nota divulgada pela entidade.

A pesquisa aponta que a redução do Inec é resultado da diminuição do otimismo dos brasileiros em relação ao desempenho da inflação, do emprego e da renda nos próximos seis meses. Os componentes ligados às expectativas são os principais responsáveis pela queda do indicador em março. As perspectivas da população com relação à evolução futura dos preços, emprego e renda se tornaram mais pessimistas, como apontam os índices de expectativa de inflação (queda de 2,7% na comparação com fevereiro), de desemprego (queda de 2,6%) e de própria renda (queda de 2,9%).

Já os índices relacionados às condições financeiras dos consumidores tiveram variações mais modestas. O índice de situação financeira registra crescimento de 0,6% na comparação com fevereiro, o que, na avaliação da CNI, reflete uma melhora na avaliação das finanças de modo geral. Por outro lado, o indicador de endividamento aponta pequeno aumento das dívidas ao recuar 0,4%.

De acordo com a metodologia da pesquisa, quanto menor o índice, maior é o número de pessoas que espera o aumento da inflação e do desemprego e a queda da renda pessoal.

Segundo o economista da CNI, o Inec antecipa tendências da economia. “Pessoas confiantes, com expectativa otimista sobre os preços, o emprego, a situação financeira e o baixo endividamento, tendem a comprar mais. O aumento do consumo é importante para a retomada da atividade e da produção”, afirma Azevedo.

O Inec, feito em parceria com o Ibope, ouviu 2.000 pessoas em 126 municípios entre os dias 22 e 25 de março.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!