Dólar fecha estável após intensa volatilidade em meio a STF e Lula – Valor

SÃO PAULO  –  O mercado de câmbio deu nesta quarta-feira uma amostra da volatilidade que o espera para os próximos meses, à medida que a corrida eleitoral brasileira ganha novos contornos.

O dólar começou o dia em firme alta, se aproximando de R$ 3,37 no momento de maior força do pregão, ainda pela manhã. No início da tarde, porém, a cotação começou a arrefecer os ganhos. Não houve “trigger” específico, mas o movimento se deu conforme o STF começava o julgamento de habeas corpus ao ex-presidente Lula. Enquanto isso, as falas dos ministros geravam no mercado profusão de interpretações sobre o futuro do petista.

No meio da tarde, o dólar chegou a bater uma mínima na casa de R$ 3,32, antes de, finalmente, terminar a sessão em leve alta de 0,07%, para R$ 3,3403.

No mercado futuro, o dólar com vencimento em maio caía 0,31%, para R$ 3,3375, por volta de 17h30, cerca de 30 minutos antes do término da sessão na B3.

Nas últimas semanas, o câmbio já vinha embutindo riscos mais claros de Lula obter habeas corpus dos ministros do STF. Desde meados de março, a moeda subiu de R$ 3,25 para os quase R$ 3,37 alcançados hoje. Em 30 dias, o dólar avança 2,8%, o que deixa o real entre as moedas de pior desempenho no período.

Mas a forte alta registrada pela manhã já a partir de níveis mais elevados chamou vendas. Com a possibilidade de Lula se manter livre discutida entre investidores, o mercado sinaliza que agora vai se concentrar em outros pontos. O principal deles: a inelegibilidade do petista dentro da Lei da Ficha Limpa.

“Uma coisa de cada vez. Neste momento, o que importa é se ele [Lula] poderá concorrer ou não. E pela lei está impedido”, diz um profissional de uma gestora.

Paulo Celso Nepomuceno, da Coinvalores Corretora, diz que, passado o julgamento do STF e considerando cenário em que o petista não é preso, a atenção do mercado se volta para o TSE, que poderá impugnar provável registro de candidatura do ex-presidente até setembro.

“Isso tem dado uma ‘segurada’ no mercado. Mas a percepção é que aumentou a chance de Lula concorrer às eleições”, ressalva.

Num cenário de Lula impedido de concorrer às eleições, mas ainda livre, o ponto a que investidores chamam atenção é o papel do ex-presidente na campanha de um futuro candidato substituto pelo Partido dos Trabalhadores.

Para um outro gestor, é isso que ainda parece “mal precificado” nos preços. “Isso não faz o mercado entrar em liquidação porque não se acredita que qualquer candidato do PT fora Lula tenha chances. Mas de qualquer forma deixa a esquerda mais fortalecida”, afirma o executivo.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!