‘Preço do A-4 surpreende e contribui para modicidade tarifária’, diz presidente da EPE – Jornal do Comércio

Os preços praticados no leilão de energia nova A-4, realizado na manhã desta quarta-feira (4), pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) surpreenderam o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Luiz Augusto Barroso. Em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, ele salientou que a energia contratada, com um deságio médio de 59,7% em relação ao preço teto estabelecido, deve contribuir para a modicidade tarifária e ainda corroboram com a visão de que as fontes renováveis alcançaram um amadurecimento que permitirá uma mudança no modelo de contratação, como pretende a gestão atual do governo.

“Fecha com chave de ouro a gestão do ministro”, acrescentou Barroso, referindo-se ao fato de que o titular do Ministério de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, deve deixar o cargo até a próxima sexta-feira para disputar as eleições de outubro. O leilão contratou 298,7 MW médios de energia proveniente de 39 empreendimentos, em sua maioria (29) projetos fotovoltaicos. O preço médio dessa fonte no certame foi de R$ 118,07/MWh, o que corresponde a um deságio de 62% em relação ao valor máximo estabelecido. Foram contratados 4 parques solares, a um preço médio de R$ 67,6/MWh, um desconto de 73,5% ante o preço-teto para a fonte.

Barroso salientou que o preço dessas duas fontes em dólares – US$ 35/MWh solar e US$ 20/MWh eólico – ficou em linha com o que vem sendo observado no mercado internacional, o que demonstra que a fonte no Brasil alcançou maturidade. “Amadurecimento das fontes permite uniformizar e dar mais isonomia entre tecnologias”, disse, referindo-se ao fato de que o governo pretende a partir do próximo leilão passar a contratar novos projetos pela modalidade “quantidade”. Conforme definiu, esse movimento significa transferir ao gerador o risco com um eventual déficit na produção de energia, em relação ao volume compromissado. Hoje esse risco é assumido pelo consumidor.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!