Abrandamento de tensões comerciais entre EUA e China apoia bolsas de Nova Iorque – Jornal do Comércio

A perspectiva de menor conflito comercial entre os Estados Unidos e a China voltou ao centro das atenções dos mercados acionários americanos nesta quinta-feira, 5. Em Nova Iorque, as bolsas deram prosseguimento à recuperação vista no dia anterior e voltaram a subir, com forte avanço nas ações de energia e de gigantes de tecnologia, que deixaram para trás a maré baixista vista nas últimas semanas.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,99%, aos 24.505,22 pontos; o S&P 500 subiu 0,69%, aos 2.662,84 pontos; e o Nasdaq avançou 0,49%, aos 7.076,55 pontos. Já o índice de volatilidade VIX apresentou queda de 5,58%, aos 18,94 pontos, voltando a operar abaixo da marca psicologicamente importante dos 20 pontos.

Em evento na Virgínia Ocidental, Trump baixou o tom. O presidente americano disse ser amigo do líder chinês, Xi Jinping, e comentou que, no longo prazo, as relações comerciais entre os dois países serão “fantásticas”.

Apesar disso, o republicano não deixou de fazer críticas ao país asiático. “Durante muitos anos, vocês nunca viram um presidente dos EUA ir contra a China economicamente. Mas, agora, nós vamos fazer isso”, disse Trump, lembrando que o déficit comercial americano com Pequim foi de aproximadamente US$ 500 bilhões em 2017.

O cenário comercial traçado por Trump foi comprovado mais cedo. De acordo com o Departamento do Comércio dos EUA, o déficit comercial do país subiu 1,6% em fevereiro na comparação com o mês anterior, para US$ 57,6 bilhões, no maior nível desde outubro de 2008. Apesar disso, “não esperamos que o resultado ruim dure. Os levantamentos são consistentes com um crescimento muito maior nas exportações nos próximos meses, o que, juntamente com a desvalorização do dólar, deve garantir que o déficit comercial se amplie muito”, disse o economista Andrew Hunter, da Capital Economics.

“As ações operaram em um nível mais firme nesta quinta-feira, já que a perspectiva de negociações comerciais entre EUA e China diminuiu as preocupações dos agentes sobre uma possível guerra comercial”, disse a economista-chefe da Stifel Economics, Lindsey Piegza. A economista também lembrou que o diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow, comentou hoje que Washington deve fechar um acordo comercial com a China, derrubando as barreiras entre os dois países. “Tudo isso precisa ser discutido, negociado e finalmente alterado”, afirmou o assessor americano.

Entre as techs, a Amazon liderou o movimento de alta (+2,92%), acompanhada de Facebook (+2,73%) e Netflix (+1,74%). Já os preços do petróleo ajudaram companhias de energia, como Chevron (+2,45%) e ExxonMobil (+1,54%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!