Baixo preço da energia eólica é fruto de questões conjunturais, diz ABEEólica – Jornal do Comércio

O preço da energia eólica no leilão A-4 realizado nesta quarta-feira (4) – de R$ 67,6 por megawatt-hora, o que representou deságio de 73,5% frente o preço máximo estabelecido -, é fruto de questões conjunturais brasileiras, como, por exemplo, o grande volume capacidade ofertado e a baixa demanda relatada pelas distribuidoras, avaliou a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica).

A entidade lembrou que o setor ficou dois anos sem leilão – de novembro de 2015 a dezembro de 2017 – e avalia que isso causou um grande represamento de projetos. “Ainda que a queda dos preços das eólicas seja uma tendência global, no caso do Brasil ainda é cedo para afirmar que o setor encontrou uma média de preços que venha a ser adequada para um cenário futuro, com economia crescendo e com contratações de energia que atendam às necessidades de expansão da matriz elétrica brasileira”, afirmou.

A declaração está em linha com a avaliação de autoridades governamentais, que consideraram o preço um fato possivelmente isolado, tendo em vista que foi contratado um baixo volume proveniente dessa fonte, em quatro projetos provenientes de um mesmo empreendedor.

A ABEEólica também sugere que as decisões estratégicas que podem ter incluído a venda de parte da energia no mercado livre, o que significa que o valor apresentado não seria exatamente o “preço puro da energia no leilão”, já que a receita proveniente do valor vendido no leilão seria balanceada com receitas que virão de venda da energia a outros valores, no mercado livre.

O leilão A-4 comercializou 114,4 MW de capacidade eólica, em 4 projetos localizados na Bahia, que exigirão mais de R$ 600 milhões em investimentos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!