Bolsas da Europa disparam mais de 2% com alívio de tensões por comércio global – Jornal do Comércio

Todas as principais bolsas europeias fecharam em alta superior a 2% no pregão desta quinta-feira (5), em linha com a percepção otimista de investidores de que a disputa tarifária entre os Estados Unidos e a China deve ter um desfecho pautado por negociações, ao invés de culminar em guerra comercial.

Esse quadro bem-humorado deixou em segundo plano indicadores desfavoráveis sobre a atividade econômica na Europa.

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em alta de 2,40%, aos 376,13 pontos, no maior avanço porcentual desde junho de 2016.

Mais cedo, a IHS Markit informou que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro caiu de 57,1 em fevereiro para 55,2 em março. Já as vendas no varejo do bloco subiram apenas 0,1% em fevereiro ante o mês anterior, na leitura da agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat.

No Reino Unido, o PMI de serviços recuou de 54,5 em fevereiro para 51,7 em março de acordo com a IHS Markit, o menor patamar desde julho de 2016. Por fim, a agência de estatísticas da Alemanha, Destatis, apontou que as encomendas à indústria do país tiveram alta de 0,3% na comparação mensal de fevereiro, bem aquém da projeção de avanço de 1,5%.

Na Bolsa de Londres, o FTSE 100 fechou com ganho de 2,35%, aos 7 199,50 pontos, na máxima do dia. O alívio generalizado das tensões pelo comércio global favoreceu ações de petroleiras, que contaram ainda com o fôlego do noticiário setorial benigno, a exemplo de BP (+3,74%) e Royal Dutch Shell (+3,76%). A tech Micro Focus, por sua vez, disparou 8,86%.

Em Frankfurt, o DAX 30 escalou 2,90%, para os 12.305,19 pontos. Todas as 30 ações do índice fecharam em alta. Entre os maiores avanços estiveram os de Deutsche Bank (+4,41%), Commerzbank (+4,00%) e thyssenkrupp (+4,33%). Além disso, as ações da farmacêutica Bayer avançaram 3,03% com o anúncio pela Monsanto de que a sua aquisição de mais de US$ 60 bilhões pela multinacional alemã deve mesmo ser fechada este ano.

O FTSE MIB, da Bolsa de Milão, encerrou em alta de 2,35%, aos 22 969,50 pontos. Por lá, as ações da Fiat Chrysler dispararam 4,85% com o anúncio da montadora de que planeja desmembrar seu negócio de componentes, a Magneti Marelli, e distribuir as ações resultantes a seus acionistas.

Na Bolsa de Paris, o CAC 40 subiu 2,62%, para os 5.276,67 pontos Destaque para a petroleira Total, cujas ações ganharam 2,71%. Em Madri, o Ibex 35 fechou com avanço de 2,39%, para os 9.740,90 pontos. Os papéis do Santander escalaram 3,73% e os da Telefónica, 2,68%.

Já o PSI 20, da Bolsa de Lisboa, encerrou com ganho de 2,09%, aos 5.485,45 pontos, na máxima do dia.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!