Consumo e geração de energia crescem 2% em março, mostra CCEE – Jornal do Comércio

O consumo e a geração de energia elétrica no País cresceram 2% no mês de março, na comparação com o mesmo período de 2017, segundo dados preliminares de medição coletados entre os dias 1º e 31 do mês passado, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Em março foram consumidos 64.949 MW médios no Sistema Interligado Nacional (SIN), acima dos 63.699 médios do ano passado. Segundo a CCEE, o aumento foi influenciado pelas maiores temperaturas registradas neste ano.

No Ambiente de Contratação Regulado (ACR), no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras, o consumo subiu 1,2%, considerando a migração de consumidores para o mercado livre. Sem esse efeito, o aumento alcançaria 3% no período.

No Ambiente de Contratação Livre (ACL), no qual as empresas compram energia diretamente dos fornecedores, o consumo apresentou elevação de 3,8%, levando em conta o impacto das novas cargas oriundas do ACR. Desconsiderando esse movimento, o consumo apresentou queda de 0,5%.

Dentre os ramos da indústria avaliados pela CCEE, incluindo dados de autoprodutores, varejistas, consumidores livres e especiais, destaque para o crescimento registrado nos segmentos de metalurgia e produtos de metal (+5,9%) e manufaturados diversos (+0,9%), mesmo sem o impacto da migração na análise. Na outra ponta, as maiores retrações foram anotadas nos segmentos de saneamento (-10,2%), bebidas (-4,8%) e transportes (-4,6%).

A geração de energia, por sua vez, alcançou 68.314 MW médios em março, ante os 66.960 MW médios de igual etapa do ano passado. A produção das usinas hidráulicas, incluindo as Pequenas Centrais Hidrelétricas, cresceu 3,5%, enquanto a geração eólicas avançou 9,3%. Já as usinas térmicas recuaram 10,1% no período.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!