Dólar contraria previsões de queda e fecha estável após STF – Jornal do Comércio

O comportamento do dólar ante o real acabou por surpreender o mercado nesta quinta-feira (5) resistindo à tendência de baixa esperada inicialmente. Pela manhã, a desmontagem de posições compradas levou a divisa a cair mais de 1%, como reflexo da rejeição do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O movimento não demorou a perder força e a moeda passou a operar com viés de alta no período da tarde. Ao final dos negócios, o dólar à vista foi negocia o a R$ 3,3405, praticamente estável (+0,01%).

“Foi um dia bem fora da normalidade, dada a alta nos dias que precederam a votação no STF. O movimento foi mais técnico, mas mostra que o dólar não tem força para cair”, disse Roberto Serra, sócio e gestor da Absolute Invest. Para ele, a resistência da divisa em um dia em que se esperava queda significativa mostra que as cotações podem buscar novos tetos informais, acima dos R$ 3,35.

Para José Faria Junior, diretor da Wagner Investimentos, há um componente positivo na alta do dólar e um negativo. O positivo é evidenciado pelo bom desempenho do Índice Bovespa e do mercado futuro de DI, dois importantes termômetros de risco para os ativos do País. Com a maior busca por ações e por contratos de DI, haveria, naturalmente, uma procura por hedge no câmbio, o que explicaria em parte a alta da divisa hoje.

“O fator negativo é a mudança de patamar da moeda, que no longo prazo está mudando de lado. Antes, a dinâmica era o ‘sobe-vende’. Agora, o que se observa é o ‘cai-compra’. Com isso, podemos ter um dólar oscilando no intervalo entre R$ 3,35 e R$ 3,40”, disse.

Um dos principais fatores de pressão no dia foi a influência do cenário internacional, onde o dia foi de fortalecimento generalizado do dólar e de ganhos também nas bolsas de Nova York. Operadores citaram alguma tensão na expectativa pela divulgação do relatório de empregos dos EUA, o payroll, amanhã. A possibilidade de um aumento acima do esperado na geração de empregos e, principalmente, no rendimento médio do trabalhador americano, mantém a cautela em relação à política monetária do Federal Reserve.

No front doméstico, o resultado do julgamento de Lula no STF também não gerou o entusiasmo esperado nos mercados, devido à percepção de que a batalha jurídica tende a se estender, mantendo nebuloso o cenário eleitoral. O diretor executivo da Fitch Ratings no Brasil, Rafael Guedes, disse hoje que o cenário político do Brasil este ano é “muito desafiador e difícil de prever”, com ou sem Lula nas eleições. “Estamos a seis meses das eleições e é extremamente difícil de prever (o resultado), com ou sem Lula. Temos um cenário bastante pulverizado”, afirmou o executivo.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!