Dados de 443 mil brasileiros no Facebook foram compartilhados com consultoria – Jornal do Comércio

O Facebook divulgou nesta quarta-feira (5), que dados de 443.117 usuários brasileiros “podem ter sido compartilhados indevidamente” com a consultoria Cambridge Analytica, que os utilizou para influenciar a opinião pública em eventos como a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2016.

O Brasil ficou entre os 10 principais territórios que foram afetados pela questão – os EUA lideram com 70 milhões de usuários.

Ao todo, dados de pelo menos 87 milhões de usuários da rede social podem ter sido obtidos pela consultoria, a partir de um quiz feito pelo pesquisador Aleksandr Kogan.

A informação surgiu em uma atualização do post feito por Mike Schroepfer, diretor de tecnologia do Facebook, sobre as mudanças promovidas pela rede social em seus termos de uso e política de privacidade.

É a primeira vez que o Facebook revela quais foram os países mais afetados pelo uso indevido de aplicativos para a obtenção de dados pessoais pela consultoria.

Territórios como Filipinas, Indonésia e Reino Unido, por sua vez, tiveram informações de mais de 1 milhão de contas varridas. Segundo Schroepfer, os usuários que foram afetados serão avisados a partir de segunda-feira, 9.

Entenda o caso

Reportagens dos jornais The New York Times e The Observer, de Londres, revelaram que a empresa de inteligência Cambridge Analytica colheu informações privadas de mais de 50 milhões de usuários do Facebook, em um esforço para beneficiar a campanha eleitoral do presidente americano, Donald Trump, em 2016.

A empresa britânica de inteligência digital coleta e relaciona dados para ações de marketing digital feitas por companhias e políticos. No caso em questão, ela usou o método para desenvolver ações para influenciar o cenário político americano e favorecer Trump.

Atingir o objetivo só foi possível graças a uma parceria com outra empresa, a também britânica Global Science Research, liderada por Aleksandr Kogan, pesquisador da Universidade de Cambridge.

Ele criou um quiz online, chamado This is your digital life (Esta é sua vida digital), que exigia que as pessoas conectassem sua conta do Facebook para ser acessado. Isso permitiu que o quiz de Kogan obtivesse informações pessoais dos usuários da rede social e de seus amigos.

Os dados obtidos por meio do teste foram vendidos pela Global Science à Cambridge Analytica, numa clara violação aos termos de uso do Facebook. Isso permitiu que a empresa de inteligência cruzasse dados com outras fontes e chegasse a um perfil preciso das pessoas, usado para enviar mensagens direcionadas – incluindo notícias falsas – para influenciar votos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!