Déficit comercial dos EUA atinge em fevereiro a máxima desde outubro de 2008 – Jornal do Comércio

O déficit comercial dos Estados Unidos aumentou em fevereiro, como reflexo em grande medida do crescimento do déficit de bens e da diminuição do superávit do país em serviços. O déficit comercial subiu 1,6% ante janeiro, para US$ 57,6 bilhões em fevereiro, após ajustes sazonais, na máxima desde outubro de 2008, informou o Departamento do Comércio nesta quinta-feira. As importações e as exportações tiveram crescimento mensal de 1,7%. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam déficit de US$ 57 bilhões.

O déficit comercial de janeiro foi levemente revisado, de US$ 56,6 bilhões antes informados para US$ 56,66 bilhões.

O relatório de fevereiro oferece uma fotografia do comércio dos EUA logo antes de que o presidente Donald Trump tivesse anunciado que imporia tarifas à importação de aço e alumínio. Economistas têm avaliado que as medidas podem elevar os preços aos consumidores e ainda reduzir os fluxos comerciais.

Em fevereiro, a alta nas exportações foi puxada por gastos maiores no exterior em suplementos e materiais usados na indústria, como petróleo e ouro, e também de veículos, partes de carros e motores dos EUA. O avanço das importações foi fruto de um salto nas vendas de bens de capital, incluindo aeronaves civis e computadores, além de gastos maiores com alimentos e bebidas.

As importações e as exportações tiveram ganhos similares, mas o declínio no superávit de serviços provocou o aumento do déficit, o maior desde os US$ 60,2 bilhões de outubro de 2008. O declínio foi motivado, em parte, por custos maiores com o uso de propriedade intelectual, em grande medida refletindo pagamentos pelos direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018.

Num período mais amplo, o comércio internacional de bens e serviços avança, como reflexo da demanda saudável nos EUA e no mundo em geral. No país, as importações avançaram 9,1% no primeiro bimestre do ano, na comparação com igual período de 2017, enquanto as exportações cresceram 5,9% no mesmo período. O déficit comercial dos EUA cresceu 22,7% em janeiro e fevereiro, na comparação com os mesmos meses do ano passado.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!