“Day after” à decisão do STF tem Ibovespa em alta e dólar em queda – Valor

SÃO PAULO  –  O Ibovespa chega à segunda etapa do pregão desta quinta-feira (5) em alta consolidada depois da decisão de ontem (4) do Supremo Tribunal Federal (STF) de negar o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afastou os receios de um fortalecimento do petista nas eleições deste ano.

Em dia de exterior também muito positivo, o investidor volta em massa a se reposicionar no mercado hoje e leva o índice a subir 1,60%, aos 85.706 pontos, às 13h40.

Chama a atenção o forte volume para o horário. O giro do Ibovespa já é de R$ 6,26 bilhões, contra R$ 9,49 bilhões de ontem. O volume projetado para o dia já estava na ordem dos R$ 14 bilhões. A projeção pode sofrer bastante alteração até o fim do dia, mas o movimento de alta da bolsa combinado com volume intenso já demonstra a entrada de investidor, local e principalmente estrangeiro.

Na máxima do dia, o Ibovespa já tocou o patamar dos 86 mil pontos (86.148 pontos). Todos os papéis mais líquidos, preferidos pelo investidor que deseja “comprar bolsa”, sobem, com ênfase na Petrobras PN (+3,63%), enquanto a ON opera em alta de 4,01%.

Além da Petrobras, também têm alta Gerdau PN (+4,82%), enquanto a maior alta do dia fica por conta da Rumo (+6,19%).

O interesse em especial do investidor estrangeiro na bolsa brasileira também se reafirma no movimento dos principais recibos de ações (ADRs) no exterior. Em Nova York, onde as bolsas sobem com a reversão do sentimento de risco global, o ADR da ON da Petrobras avança 4,58%, a US$ 14,26, enquanto o ADR da PN sobe 5,27%, a US$ 12,79. A maioria dos recibos de ações de empresas brasileiras avança no mercado americano.

Na avaliação de gestores, embora o xadrez das eleições presidenciais ainda esteja muito turvo e de difícil previsão, a negação do habeas corpus de Lula ontem afasta os riscos de um abandono da agenda econômica atual. “O receio no campo político com as eleições ainda é bem grande, mas o risco de descontinuidade da política econômica volta a se reduzir agora”, afirma um gestor.

Câmbio

Após dias na lanterna do mercado global de moedas, o real tem um respiro nesta quinta-feira, com investidores repercutindo a decisão de ontem do STF sobre Lula.

A divisa doméstica tem hoje o melhor desempenho entre 33 pares do dólar. A performance chama ainda mais atenção por ocorrer num dia de alta generalizada da moeda dos Estados Unidos.

Às 13h52, o dólar caía 0,44%, para R$ 3,3256. A queda no mercado futuro é mais moderada: a taxa do contrato com vencimento em maio cedia 0,10%, a R$ 3,3320.

Na mínima do dia, a cotação chegou a cair 1,34% (queda mais intensa em um mês e meio), furando o suporte de R$ 3,30 ao tocar R$ 3,2956. Mas não se sustentou abaixo dessa linha.

A falta de ímpeto dos vendedores com o câmbio abaixo de R$ 3,30 sinaliza que a percepção de risco eleitoral hoje – independentemente da decisão de ontem do STF – está maior que nas últimas semanas, o que implica um patamar de equilíbrio mais alto para o dólar.

Numa janela de 30 dias, o real ainda cai 2,3%, quarta maior queda entre os principais rivais do dólar. E, para analistas, a decisão do STF impediu que o câmbio entrasse de forma imediata numa nova dinâmica negativa, mas não tem força para colocar o dólar em patamares sustentavelmente mais baixos.

O entendimento é que a manutenção da possibilidade de prisão de Lula alterou de forma limitada o cenário. O risco maior seria um resultado que impedisse a prisão do ex-presidente, o que fortaleceria um quadro em que o petista atuaria de forma mais intensa na campanha presidencial, ainda que apenas no papel de apoiador de um futuro outro candidato do PT.

“Mais fundamentalmente, quando a poeira baixar, investidores provavelmente vão se concentrar mais no fato de que os candidatos pró-mercado ainda patinam nas pesquisas”, diz em nota Edward Glossop, economista para a América Latina da Capital Economics. Segundo ele, o resultado disso é que a perspectiva para a reforma fiscal parece “sombria”.

No blog Casa das Caldeiras, a jornalista Angela Bittencourt relata especulações sobre insatisfação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, com o tratamento dado à sua pré-candidatura à Presidência da República pelo MDB.

Juros

As taxas dos DIs de longo prazo registram, nesta quinta-feira, a maior queda desde o fim de janeiro. De acordo com profissionais de mercado, os juros futuros se ajustam, com alívio, à decisão do STF.

A aposta direciona a queda dos juros mais longos, que revertem toda a alta acumulada desde a última sexta-feira, quando o mercado estava apreensivo com o julgamento. Até ontem, os investidores aguardavam o resultado do STF – que só saiu de madrugada – com uma postura mais defensiva. Ouvia-se ao longo do dia que haviam crescido as apostas de que Lula seria beneficiado.

Hoje, a taxa projetada pelo DI janeiro de 2023 caiu, na mínima do dia, a 8,960%, que representava baixa de 14 pontos antes o fechamento passado. Se mantida essa variação até o encerramento do dia, será a variação mais intensa desde 24 de janeiro quando cedeu 28 pontos. Vale destacar que foi justamente naquela data que o ex-presidente Lula foi condenado em segunda instância no TRF-4 por lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

A Capital Economics aponta, contudo, que a recuperação dos mercados locais deve ser limitada. Quando a poeira baixar, os mercados tendem a se concentrar no fato de que os candidatos ainda enfrentam uma disputa difícil na corrida presidencial. As perspectivas para reformas fiscais ainda parecem “desanimadoras”. A menos que isso avance nos próximos anos, as taxas de juros também devem subir, pesando sobre os títulos em moeda local, conclui a consultoria.

Por volta das 13h, o DI janeiro de 2019 caía a 6,235% (6,25% no ajuste anterior); o DI janeiro de 2020 cedia a 7,020% (7,12% no ajuste anterior); o DI janeiro de 2021 recuava a 8,010% (8,12% no ajuste anterior); o DI janeiro de 2023 apontava 9,010% (9,15% no ajuste anterior); o DI janeiro de 2025 tinha queda a 9,510% (9,66% no ajuste anterior).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!