PCHs da Havan vendem energia em leilão A-4 – Jornal do Comércio

Dois projetos de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), ligados ao grupo Havan (tradicionalmente vinculado à rede de varejo que ostenta réplicas da estátua da Liberdade em suas lojas), saíram vencedores do leilão de energia promovido ontem pelo governo federal. Com isso, tiveram a comercialização da geração de eletricidade garantida para ser entregue até 2022. Os dois empreendimentos somam uma potência instalada de cerca de 34,5 MW (0,8% da demanda média gaúcha) e significarão um investimento de cerca de R$ 186 milhões, segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Um dos complexos é a PCH de Quebra Dentes, que será construída no rio Toropi, entre os municípios de Júlio de Castilhos e Quevedos, na Região Central do Rio Grande do Sul. A usina ocupará uma área de 54,6 hectares, terá capacidade instalada para 22,36 MW e implicará investimento de R$ 115,7 milhões. A outra estrutura é a PCH de Salto do Guassupi, no rio Guassupi, entre Júlio de Castilhos e São Martinho da Serra, também situada na região Central. Essa unidade terá 12,19 MW de potência, ocupará uma área de 79,3 hectares, e significará um aporte de R$ 70,1 milhões. As duas PCHs, recentemente, receberam as licenças ambientais de instalação da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).

No total, o leilão A-4 (quatro anos para começar o fornecimento) resultou na contratação de 39 projetos de geração de energia elétrica, com capacidade instalada total de 1.024,5 MW de potência. A energia contratada irá suprir a demanda estimada de 17 concessionárias. O preço médio da energia negociada no certame foi de R$ 124,75 o MWh, alcançando um deságio de 59,07 %, com investimentos previstos da ordem de R$ 5,277 bilhões. Dos empreendimentos contratados, 29 são de usinas solares fotovoltaicas, duas Centrais Geradora Hidrelétrica (CGH), duas PCHs, duas usinas termelétricas a biomassa (proveniente de bagaço de cana) e quatro usinas eólicas. As usinas contratadas estão localizadas nos estados de Bahia (quatro), Ceará (14), Espírito Santo (sim), Mato Grosso (sim), Minas Gerais (oito), Pernambuco (três), Piauí (seis) e Rio Grande do Sul (dois). Nenhum parque eólico gaúcho foi bem-sucedido na disputa, como era esperado. Esses complexos, assim como uma forte concorrência das iniciativas desenvolvidas no Nordeste, enfrentam dificuldades para escoar energia devido a limitações no sistema de transmissão da região.

Apesar de o Estado ter sido o único contemplando com a aquisição de energia de PCHs, o presidente do conselho de administração da Associação Gaúcha de Fomento às PCHs (AGPCH), Alderi do Prado, considerou como insuficiente o volume contratado de geração a partir desse tipo de planta. “Não atendeu às expectativas do mercado, esperávamos mais”, frisa o dirigente. Prado defende que seria necessário prestigiar mais essa fonte pelo que representa na criação de empregos e renda, além de reforço para o setor elétrico.

De acordo com o integrante da AGPCH, existe hoje um desequilíbrio na compra de energia, com as PCHs tendo volumes bem menores sendo adquiridos do que usinas de outras naturezas, como as solares e as eólicas. O pequeno número de PCHs contratado também vem casado à redução dos preços da energia vendida, salienta Prado. O dirigente espera que o leilão A-6), previsto para ocorrer até agosto, acabe contemplando uma quantidade maior de usinas, no entanto adverte que isso dependerá da demanda de energia que se apresentará naquele momento.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!