Bolsas europeias assumem tom moderadamente negativo com preocupação comercial – Jornal do Comércio

As bolsas europeias operam em tom moderadamente negativo desde a abertura, reagindo aos últimos desdobramentos da crescente disputa comercial entre EUA e China. Contribui para o mau humor na região os últimos números da atividade industrial da Alemanha, que frustraram as expectativas.

Ontem à noite, depois que os mercados acionários de Nova Iorque haviam encerrado mais um pregão de ganhos, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que está considerando impor tarifas a mais US$ 100 bilhões em produtos chineses, em resposta à iniciativa retaliatória de Pequim no meio da semana.

Na terça-feira (3), a Casa Branca já havia anunciado planos de taxar US$ 50 bilhões em produtos da China. No dia seguinte, Pequim revelou a intenção de tarifar 106 produtos americanos, também no montante de US$ 50 bilhões, incluindo bens estratégicos para a pauta de exportação dos EUA, como soja, carros, aviões e produtos químicos.

Nesta madrugada, o governo chinês avisou que “não hesitará em pagar qualquer preço” para defender seus interesses se os EUA adotarem novas medidas comerciais contra a China. Segundo analistas, a última cartada de Trump deixa EUA e China mais próximos de uma “guerra comercial”, mas há quem pondere que a atitude do presidente americano pode ser apenas parte de sua tática de negociação

Em entrevista à emissora CNBC, Benoît Coeuré, integrante do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE), previu que uma eventual guerra comercial teria consequências “danosas” para o mundo inteiro, incluindo os EUA.

Na Alemanha, maior economia europeia, dados oficiais mostraram hoje que sua produção industrial sofreu uma significativa queda de 1,6% em fevereiro ante janeiro, contrariando analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam avanço de 0,3%.

Nas próximas horas, investidores na Europa ficarão atentos ao último relatório de emprego dos EUA, que será divulgado às 9h30min (de Brasília), e a um discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, a partir das 14h30min. O relatório, conhecido como “payroll”, tem forte influência nas decisões de política monetária do Fed. Além disso, o presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Mark Carney, faz pronunciamento às 12h15min, em Amsterdã.

Às 7h16min (de Brasília), a Bolsa de Londres caía 0,18%, a de Paris recuava 0,45% e a de Frankfurt tinha baixa de 0,48%. Já Madri, Milão e Lisboa registravam perdas de 0,42%, 0,08% e 0,78%, respectivamente. No mercado de câmbio, o euro se fortalecia marginalmente, a US$ 1,2243, e a libra também subia levemente, cotada a US$ 1,4018. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!