Dólar sobe 0,67% e atinge maior valor desde 18 de maio – Jornal do Comércio

A aversão ao risco no mercado internacional e a postura cautelosa do investidor com o cenário doméstico levaram o dólar ao seu maior valor ante o real em quase dez meses nesta sexta-feira (6). Lá fora, o temor dos efeitos de uma guerra comercial que se desenha entre Estados Unidos e China derrubou as bolsas de Nova York e fortaleceu a moeda norte-americana ante divisas de países emergentes e exportadores de commodities. Internamente, continuaram vivas as incertezas quanto à elegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve a prisão decretada ontem.

No mercado à vista, o dólar fechou em alta de 0,67%, cotado a R$ 3,3630, maior cotação desde 18 de maio do ano passado. O viés altista foi verificado desde a abertura dos negócios e, na máxima, a cotação do “spot” chegou aos R$ 3,3795 (+1,17%). A sessão de negócios foi bastante movimentada nos mercados à vista e futuro, com volumes superiores à média dos últimos dias. No mercado à vista, foram movimentados US$ 2,5 bilhões. No mercado futuro, o dólar para liquidação em maio movimentava US$ 24 bilhões até as 17h34.

O maior impacto da notícia do mandado de prisão de Lula foi sentido pela manhã, em meio à diversidade de notícias e especulações acerca da apresentação do ex-presidente e das tentativas jurídicas de evitar a prisão. Analistas apontaram desconforto de investidores diante de uma percepção de insegurança jurídica, devido a questões como o racha no Supremo Tribunal Federal (STF). À tarde, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido de habeas corpus da defesa de Lula que buscava adiar a prisão.

Para Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora, a alta do dia foi um misto de fatores externos e internos que incentivaram a aversão ao risco. No que diz respeito ao cenário político, ele atribui a uma “insegurança política e jurídica” a postura mais cautelosa do investidor, que teria buscado proteção no dólar. “Diante dessa incerteza, o investidor opta por ficar comprado, pois a possibilidade de erro é pequena. E não podemos esquecer que o País continua a enfrentar os mesmos obstáculos de 2017 e ainda temos o risco de uma terceira denúncia contra o presidente Michel Temer. Tudo disso deixa o investidor estrangeiro em uma espécie limbo”, afirmou.

Outros analistas, no entanto, atribuíram o movimento interno do dólar hoje quase que exclusivamente ao cenário internacional, que teve um dia de forte volatilidade, com o noticiário americano no foco das atenções. Em cena, continuaram os atritos com a China. Ontem, o governo americano anunciou intenção de impor tarifas a mais US$ 100 bilhões em produtos chineses, intensificando as preocupações com um conflito comercial. À tarde, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, admitiu a possibilidade de guerra comercial com a China, mas ponderou que este não é o objetivo dos EUA.

“O ambiente externo foi de alta volatilidade, o que induz o dólar a ganhar valor, com investidores enxugando posições em ativos de risco. Nosso mercado é pequeno e não tem forças para contrariar essa tendência de realinhamento”, disse Cléber Alessie Machado Neto, operador da Hcommcor corretora.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!