Facebook vai verificar identidade de quem paga por propagandas políticas – Jornal do Comércio

O Facebook anunciou nesta sexta (6) que vai exigir a identificação e a localização de quem quer divulgar anúncios políticos e eleitorais na plataforma, incluindo mensagens sobre temas sensíveis que estejam em debate público em diferentes países.

Cada um desses anúncios terá um ícone no canto superior esquerdo, que identificará o conteúdo como “anúncio político” e dirá quem está pagando pelo material.

O objetivo da empresa é colocar a ferramenta em funcionamento nos Estados Unidos, sede da companhia, até o final do semestre. Ela deve ser estendida a outros países na sequência.

O Facebook informou que está trabalhando numa lista de tópicos sensíveis junto com parceiros, e que quaisquer anúncios sobre temas “que estejam sendo debatidos em âmbito nacional” passarão pela verificação da plataforma. Os anunciantes só poderão divulgar o material patrocinado após o processo de verificação.

O usuário também poderá verificar todos os posts que aquele patrocinador está divulgando no Facebook, mesmo que não estejam em seu feed de notícias. A ferramenta, chamada “exibir anúncios”, estará disponível a partir de junho.

A companhia prometeu lançar ainda um sistema de busca por anúncios no Facebook, também em junho, em nível global.

As medidas pretendem evitar a interferência e manipulação de eleições por meio da plataforma, e é mais uma resposta aos recentes questionamentos sobre a suscetibilidade do Facebook à atuação de perfis falsos e ao vazamento de dados de usuários para fins políticos e comerciais.

No comunicado desta sexta, os vice-presidentes do Facebook Rob Goldman e Alex Himel reconhecem que a empresa foi “lenta” para identificar a interferência estrangeira nas eleições dos EUA em 2016.

“As atualizações de hoje foram pensadas para evitar abusos futuros em eleições, e para ajudar a garantir que o usuário tenha as informações necessárias para avaliar anúncios políticos e sobre temas de relevância nacional”, afirmaram.

Além dos EUA, que terão eleições legislativas no final do ano, o Facebook também quer garantir a integridade da votação em outros países, em especial o Brasil e a Índia, conforme afirmou o fundador da empresa, Mark Zuckerberg.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!