Ibovespa encerra em queda de 0,46% com cena política interna e exterior – Jornal do Comércio

As indefinições da cena política interna, com relação à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o recrudescimento da tensão comercial entre Estados Unidos e China azedaram o humor da bolsa doméstica durante toda esta sexta-feira, 6. No entanto, perto do final da sessão, o ritmo de queda arrefeceu e o índice à vista não só se recuperou como se firmou no patamar dos 84 mil pontos.

Assim, o índice à vista fechou em queda de 0,46%, aos 84.820,42 pontos. O giro financeiro foi de R$ 9,66 bilhões. Na semana, o Ibovespa recuou 0,64%.

De acordo com Raphael Figueredo, analista da Eleven Financial Research, a desaceleração das fortes quedas vistas no mercado acionário americano próximo ao fechamento por lá contribuiu para reduzir a baixa por aqui. Naquele mesmo horário, Henrique Meirelles também anunciava sua saída do Ministério da Fazenda e oficializava que seu secretário-executivo, Eduardo Guardia, ocupará seu lugar, garantindo a continuidade da condução da política econômica.

No campo político, o ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Lula para suspender execução da pena. “O cenário político traz incerteza. O fato de Lula ser preso não impede que ele se inscreva para concorrer ao pleito eleitoral. E o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deve se pronunciar em setembro”, afirma Roberto Indech, analista-chefe Rico Investimentos.

Do ponto de vista externo, Indech ressalta que também há muitas incertezas uma vez que o embate comercial de China e EUA parece que não terá fim tão cedo. “Com certeza, haverá impacto no crescimento global”, disse Indech, ressaltando que ainda não é possível mensurar o quanto, mas que isso muda a perspectiva para a bolsa.

Internamente, as quedas em torno de 9% das ações da Eletrobras no pregão de hoje também contribuíram para a baixa local. O recuo foi atribuído à percepção de investidores de que a possibilidade do atual ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Wellington Moreira Franco, ser o novo ministro de Minas e Energia no lugar de Fernando Coelho Filho torne a pasta mais política do que técnica, deixando para trás o projeto de privatização da companhia.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!