Ibovespa vai contra bolsas globais e cai, de olho em cena política – Valor

SÃO PAULO  –  Com o ambiente político ainda turvo no Brasil, o Ibovespa começou a segunda semana de abril em tom negativo. O índice não teve força para acompanhar o exterior e outras bolsas emergentes e deu sequência a um ajuste, depois de fechar a semana passada com desempenho melhor do que Wall Street.

O Ibovespa encerrou hoje em queda de 1,78%, aos 83.307 pontos. Na mínima do dia, chegou aos 83.155 pontos. O Itaú BBA reforçou, em novo relatório hoje, que o índice segue “estacionado” no patamar entre 83 mil pontos e 85 mil pontos e depende agora de elementos que o direcionem para cima ou para baixo.

Além disso, preso aos atuais níveis, as posições em bolsa ficam mais sensíveis a pequenas oscilações de preço e acionam mecanismos de proteção contra perdas, o chamado “stop loss”.

O volume, no entanto, foi mais modesto e somou R$ 7,7 bilhões. Segundo um operador, isso significa que as incertezas no campo político ainda limitam os ganhos do Ibovespa, mas os investidores não estão saindo de bolsa, e sim reduzindo posições que apostam em alta, ou “bullish”, no jargão do mercado.

“Acho que está caindo a ficha de que a recuperação será lenta e os juros já estão nas mínimas e de que a ansiedade com eleição será grande até depois da Copa do Mundo, no mínimo”, explica o gestor de um fundo paulista.

Com receios sobre a continuidade da agenda de reformas após as eleições deste ano, os agentes de mercado receberam com alívio a prisão do ex-presidente Lula na semana passada. No entanto, o tema ainda ronda os negócios, já que o STF tem um novo julgamento previsto para esta quarta-feira e que pode mudar o curso da pena para o petista.

Analistas se dividem em atribuir ao ambiente local e externo o protagonismo do movimento da bolsa e alguns especialistas notam que os receios com o crescimento mundial cresceram com o risco de uma guerra comercial entre Estados Unidos e China. Isso dificulta o interesse do investidor em se alocar em ativos de risco e aumenta a busca pelas opções mais seguras possível.

Mas o fato é que as estatais — sensíveis à política — passaram por mais um dia de intensas baixas. Petrobras PN (-3,52%) e ON (-2,88%) tiveram quedas firmes em dia de petróleo em alta, enquanto Banco do Brasil ON cedeu 3,64%. Entre os bancos, setor de importante peso e giro em bolsa, Itaú Unibanco (-2,22%), Bradesco PN (-3,79%) e Bradesco ON (-4,85%) também caíram.

O Ibovespa também cedeu em dia de ganhos não apenas em Nova York, mas também contra outras bolsas emergentes. Na África do Sul, houve alta na bolsa de 0,38% e, na Índia, de 0,48%; o IPC do México sobe 0,27%, enquanto o IPSA chileno avança 0,89%. A bolsa da Colômbia sobe 0,39% hoje e o Merval, principal índice da Argentina, ganha 0,37%.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!