Indefinições pesam e Ibovespa fecha em queda de 1,78% – Jornal do Comércio

As indefinições com o futuro político-jurídico-eleitoral pesaram sobre a sessão de negócios desta segunda-feira, 9, e deixaram os investidores ressabiados. A bolsa operou sob tensão, totalmente voltada para as percepções do ambiente doméstico, deixando de lado o bom humor que imperou nos mercado acionários americano e europeu. O Ibovespa passou o dia em baixa e acelerou o movimento quando Wall Street arrefeceu o ritmo de alta poucos minutos antes do fechamento por lá. O índice à vista brasileiro fechou com desvalorização de 1,78%, aos 83.307,23 pontos. O giro financeiro foi de R$ 9,1 bilhões.

Para analistas e operadores consultados, o movimento de aversão ao risco tem como pano de fundo as incertezas a respeito do cenário político tanto de curto quanto de médio prazo. No curto, as mudanças que ocorrem no âmbito do Executivo, com a troca de ministros e dúvidas sobre se seus substitutos vão seguir a mesma linha adotada até agora. E, no médio, as próprias composições partidárias e a definição dos candidatos que vão participar da corrida ao Palácio do Planalto.

Nesse contexto, no campo jurídico, temores sobre a sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), na quarta-feira, para qual o ministro Marco Aurélio Mello prometeu levar para apreciação do plenário o pedido de liminar do Partido Ecológico Nacional (PEN) contra prisão em segunda instância. O requerimento foi feito em uma das duas ações que discutem a execução antecipada da pena de forma geral.

“Essa sessão da Corte volta a trazer uma indefinição sobre o que pode acontecer com os políticos presos a partir de condenação em segunda instância, inclusive, com o Lula”, ressalta Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença Corretora

Entre as ações que compõem a carteira do Ibovespa, as maiores quedas ficaram com Eletrobras ON e PN, que recuaram 9,56%, e 6,74%, respectivamente. Os papéis da estatal recuam desde sexta-feira com temores sobre a não continuidade do processo de privatização da companhia. Entre as blue chips, Petrobras e Banco do Brasil, considerados termômetros para tensões políticas, apontaram quedas fortes. Os papéis ON do BB recuavam mais de 3,64%, a despeito de seus correlatos no mercado acionário americano fecharem em alta. Também da petroleira caíram 2,88% (ON) e 3,52% (PN) embora a cotação dos futuros do petróleo tenham se valorizado por volta de 2%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!