Juros futuros voltam a subir em meio a preocupações com riscos fiscais – Valor

SÃO PAULO  –  As taxas dos contratos de DI voltaram a subir nesta segunda-feira (9), enquanto as incertezas no campo político trazem à tona os riscos sobre a situação fiscal. 

Profissionais de mercado relatam que a reforma da Previdência e outros ajustes econômicos nunca deixaram a pauta. O que se percebe, entretanto, é que a intensificação do debate eleitoral volta a colocar o tema em evidência. Isso porque os candidatos reformistas ainda não geram confiança nas pesquisas de opinião, nem parecem ocupar o “vácuo” deixado pela prisão do ex-presidente Lula. Em paralelo, teme-se pela governabilidade de uma administração liderada por um nome pouco tradicional da política.

O recrudescimento das preocupações justifica a recomposição do prêmio de risco nos juros futuros, principalmente em vencimentos intermediários e mais longos. Até por isso, não se espera que o mercado “revisite” mínimas tão cedo. Este é o caso do DI janeiro de 2021, que caiu pontualmente abaixo de 8% no fim do mês passado. O nível não se sustentou desde então, em meio ao vaivém em Brasília e do aumento das preocupações com uma guerra comercial no exterior.

“Fica a sensação de que a venda de taxas agora tem pouco potencial de ganhos”, diz o estrategista Paulo Nepomuceno, da Coinvalores. Ele aponta que, junto com as indefinições políticas, as preocupações sobre a sustentabilidade fiscal no médio prazo voltam a pesar no ambiente de negócios. A inflação está bem ancorada até 2020, mas a partir de então aumenta o peso da política fiscal.

“O risco é muito grande e prêmio no mercado não poderia ser pequeno, por mais que ainda se veja inflação bem-comportada no curto prazo”, acrescenta.

Selic

Para o curto prazo, a instabilidade nos mercados locais – mesmo com o dólar próximo de R$ 3,40 – ainda não é motivo forte o suficiente para abalar a confiança numa baixa da Selic em maio.

“O corte (da taxa básica) para 6,25% ainda parece estar seguro, pois a inflação corrente e prospectiva o permitem”, diz a economista-chefe da Rosenberg Associados, Thais Marzola.

A volatilidade do câmbio, por enquanto, ainda não se traduz em risco inflacionário iminente. “Seria necessária a percepção de novo patamar de câmbio para a transmissão aos preços, o que, por enquanto pelo menos, não parece ser o caso”, afirma a especialista. Ela destaca ainda que existe uma “enorme” capacidade ociosa do produto, o que tenderia a reduzir o repasse de um eventual choque cambial.

Para Juan Jensen, sócio da 4E Consultoria, o que tende a ser colocado em risco é a visão de que a Selic poderia cair além de maio. “Esse movimento do câmbio diminui qualquer probabilidade de ter queda além do 6,25%”, diz.

Ainda assim, a depreciação cambial teria efeito limitado na inflação. Em linhas gerais, um enfraquecimento de 10% da moeda nacional elevaria em 0,5 ponto percentual a inflação. Além disso, como destaca Jensen, o Banco Central tem reiterado que não deve combater efeitos primários do choque de oferta, como é o caso do câmbio.

“Se olharmos para os fatores que o BC tem salientado, a inflação corrente continua tranquila e as expectativas de inflação ainda estão em trajetória de baixa”, diz o especialista.

Nesta terça-feira (10), será divulgado o IPCA de março, que deve dar suporte para o plano de voo atual do Copom de implementar mais um corte de 0,25 ponto da Selic em maio. A expectativa de analistas ouvidos pelo ValorData é de alta de 0,12% no indicador de inflação do mês passado.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!