Ouro sobe com percepção de risco geopolítico por tensão entre EUA e Rússia – Jornal do Comércio

O ouro fechou em alta na sessão desta segunda-feira (9) em linha com a intensificação da percepção de investidores sobre o risco geopolítico que deriva das tensões entre os Estados Unidos e a Rússia.

No domingo (8), o presidente americano, Donald Trump, escreveu em sua conta no Twitter que “o presidente Putin, a Rússia e o Irã são responsáveis por apoiar o animal (Bashar) Assad (presidente da Síria)”, e que isso implica um “alto preço a pagar”. Trump se referia às acusações de que as forças militares sírias promoveram um ataque com armas químicas na cidade de Douma, nos arredores de Damasco.

A declaração engrossou o caldo da tensão geopolítica apenas dois dias após Washington anunciar sanções contra oligarcas e empresas russos ligados ao Kremlin. Na avaliação do analista-chefe de mercado da ThinkMarkets, Naeem Aslam, as “tensões geopolíticas avançaram a um novo escalão” com o anúncio das medidas punitivas. “Isso trouxe atenção ao ouro” como um ativo de segurança contra riscos para o mercado, afirmou.

Na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato futuro de ouro para abril fechou com ganho de US$ 4,00 (+0,30%), a US$ 1.340,10 a onça-troy.

Sobre a recente volatilidade do metal amarelo em meio ao embate tarifário entre Washington e Pequim, o banco UBS avalia que, “na realidade”, o cenário macroeconômico mais amplo não mudou muito e, apesar das variações intermitentes, o ouro não se movimentou para além de uma faixa de preço estabelecida.

“Em anos recentes, o impacto de riscos geopolíticos sobre os preços de ouro tendeu a ser transitório, a não ser que haja uma escalada ou uma expectativa significativa de efeitos negativos consistentes sobre a economia”, escrevem analistas do banco suíço.

Já o Commerzbank aponta que a cotação do metal amarelo “pouco reagiu” a indicadores “fracos” do mercado de trabalho americano. E acrescenta que a “vitória estrondosa” do partido eurocético do primeiro-ministro reeleito da Ucrânia, Viktor Orbán, nas eleições parlamentares do país tampouco “emprestaram fôlego” ao ouro.

“Em diversas ocasiões recentes, o ouro respondeu mais a notícias com viés baixista para a cotação do que às favoráveis ao metal. Isso pode sinalizar uma correção de preços a caminho que poderia puxar o ouro novamente em direção à marca de US$ 1.300 (por onça-troy)”, escreve o Commerzbank.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!