Petróleo opera em alta, recuperando-se após queda na semana passada – Jornal do Comércio

Os contratos futuros de petróleo avançam na manhã desta segunda-feira (9), recuperando-se parcialmente após recuos consideráveis na semana passada. Tensões na Síria estão no radar, embora a cautela com o comércio global e a produção forte nos Estados Unidos contenha o movimento nesse mercado.

Às 8h28min (de Brasília), o petróleo WTI para maio subia 0,45%, a US$ 62,34 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para junho tinha ganho de 0,70%, a US$ 67,58 o barril, na ICE.

O WTI recuou 2,33% na sexta-feira (6) e em toda a semana passada teve baixa de 4,43%, enquanto o Brent caiu 1,79% e 3,22%, respectivamente, na pior semana em dois meses para o óleo. A queda nos mercados acionários e os crescentes temores de uma guerra comercial prejudicaram o sentimento.

Na Síria, houve relatos de um ataque com mísseis a uma base aérea perto de Homs. Os EUA negaram participação no ataque, embora o presidente americano, Donald Trump, tenha alertado domingo no Twitter que o governo sírio e seus aliados Rússia e Irã iriam pagar um “grande preço” por um ataque com armas químicas contra civis perto de Damasco, que deixou dezenas mortos no fim de semana. A imprensa estatal síria disse que as notícias sobre o uso de armas químicas foram inventadas por uma facção rebelde. A tensão geopolítica ajuda a apoiar os contratos, mas há cautela com o comércio.

“O mercado está atualmente preocupado com a escalada nas tensões comerciais entre China e EUA – e com boa razão isso seria ruim para o crescimento global e para um crescimento maior na demanda”, afirmou Bjarne Schieldrop, analista-chefe de commodities da SEB Markets. Segundo ele, porém, os fundamentos do mercado melhoram e os preços podem ser apoiados mais adiante, com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) mantendo seu compromisso de reduzir a oferta.

Por outro lado, o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA subiu 11 na última semana, informou a Baker Hughes na sexta-feira, em mais um sinal de força na produção do país. Os agentes do mercado aguardam nesta semana os relatórios mensais da Opep e da Agência Internacional de Energia (AIE), de olho em potenciais revisões sobre a demanda global. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!