China diz ser impossível negociar com os EUA – Jornal do Comércio

A China intensificou seus ataques contra o governo dos Estados Unidos ontem devido a bilhões de dólares em ameaças de tarifas, dizendo que Washington seria o culpado pelos atritos comerciais e repetindo que é impossível negociar sob as circunstâncias atuais.

As declarações foram dadas depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, previu, no domingo, que a China deve retirar suas barreiras comerciais, e expressou otimismo de que ambos os lados podem resolver a questão através de negociações.

Pesquisadores estatais chineses e a mídia minimizaram o possível impacto das medidas comerciais dos EUA sobre a segunda maior economia do mundo e descreveram a postura do governo norte-americano sobre o comércio como o produto de um “distúrbio de ansiedade”. “Sob as atuais circunstâncias, ambos os lados não podem ter negociações sobre essas questões”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, a repórteres.

“Os Estados Unidos, por um lado, têm a ameaça de sanções e, ao mesmo tempo, dizem que estão dispostos a conversar. Não tenho certeza sobre para quem os Estados Unidos estão fazendo esse número”, disse Geng. Os atritos comerciais devem-se “inteiramente à provocação dos EUA”, completou.

Ontem, Trump afirmou que a relação comercial entre EUA e China é estúpida. “Quando um carro é enviado para os Estados Unidos da China, há uma tarifa a ser paga de 2,5%. Quando um carro é enviado para a China dos Estados Unidos, há uma tarifa a ser paga de 25%. Isso soa como comércio livre ou justo? Não, parece comércio estúpido – acontecendo há anos!”, disse em uma postagem no Twitter.

“Pequim não queria disputar uma guerra comercial, mas não tem medo de uma”, afirmou o vice-ministro de Comércio, Qian Keming, no Fórum Boao para Ásia.

A ação dos EUA de ameaçar a China com tarifas sobre bens chineses visava forçar Pequim a lidar com o que Washington diz ser roubo de propriedade intelectual e transferência forçada de tecnologia de empresas dos EUA para concorrentes chineses.

Pequim alega que Washington é o agressor e está estimulando o protecionismo global, embora os parceiros comerciais da China reclamem há anos que o país abusa das regras da OMC (Organização Mundial do Comércio) e pratica políticas industriais injustas que bloqueiam empresas estrangeiras de setores cruciais com a intenção de criar gigantes nacionais.

Depois de repetidas promessas feitas por Pequim de abrir setores como o de serviços financeiros terem mostrado pouco progresso, Trump tem dito que os EUA não vão mais permitir que a China se aproveite do país com o comércio.

 

Disputa comercial entre os dois países pode ajudar o Brasil, diz secretário

O secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Marcello Estevão, disse ontem que a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China poderá beneficiar o Brasil e, por extensão, o Mercado Comum do Sul (Mercosul). Estevão disse que a disputa comercial entre duas das maiores economias do mundo, pelo menos até o momento, está sendo positiva para o Brasil.

“É claro que uma guerra comercial entre duas economias do tamanho da norte-americana e da chinesa não é boa para ninguém, e todos têm a perder. Mas, pontualmente, o que eu tenho visto é que ela está nos ajudando. Na questão da soja, por exemplo, a decisão da China de impor tarifa sobre a exportação do produto dos Estados Unidos ajuda os produtores de soja do Brasil”, disse.

Na avaliação do secretário, “se realmente a China fizer um boicote ou aumentar a tarifa para bens de commodities que os Estados Unidos exportam muito, o Brasil se beneficiará, porque é um país exportador de commoditie”.

Para Estevão, a disputa comercial entre a China e os Estados Unidos ajuda o Brasil, porque os países que querem fazer acordos e ampliar as relações comerciais vão fazê-lo com o Brasil e com o Mercosul.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!