Moody’s melhora perspectiva do Brasil de negativa para estável – Jornal do Comércio

A agência de classificação de risco Moody’s revisou a perspectiva da nota do Brasil de negativa para estável, o que reduz a chance de novo rebaixamento da nota de crédito do País no curto prazo. A nota atual do Brasil na Moody’s é “Ba2”, dois degraus abaixo do grau de investimento.

“A Moody’s acredita, em resumo, que os riscos negativos para o crescimento e as incertezas relacionadas ao ímpeto para reformas, que levaram à atribuição da perspectiva negativa para o rating Ba2 em maio do ano passado, diminuíram”, disse a agência em comunicado.

A agência lista dois fatores para a mudança da perspectiva da nota. O primeiro é a expectativa de que reformas para preservar a sustentabilidade fiscal e estabilizar as métricas de dívida no médio prazo serão aprovadas pelo próximo governo. O segundo é a perspectiva de crescimento econômico mais forte que o esperado no curto e médio prazo, sustentado por reformas estruturais prévias, que, na análise da agência, darão suporte aos esforços de consolidação fiscal.

A revisão da perspectiva da Moody’s vai na contramão do que foi feito pelas outras duas agências de risco, a Fitch e a SP Global. A agência de classificação de risco Fitch cortou, em 23 de fevereiro, a nota de crédito do Brasil, com perspectiva estável. A nota foi reduzida de “BB” para “BB-“, o que manteve o Brasil dentro do grupo de países considerados maus pagadores de suas dívidas.

Na Fitch, o País está três níveis abaixo do grau de investimento, espécie de selo de bom pagador. A perspectiva melhorou de negativa para estável, o que reduz o risco de novos rebaixamentos nos próximos meses.

A Fitch foi a segunda agência a rebaixar a nota do Brasil. Em 11 de janeiro, a agência S&P Global cortou o rating brasileiro de “BB” para “BB-“, no primeiro rebaixamento por uma agência no governo do presidente Michel Temer. O atraso nas reformas e as incertezas sobre a eleição presidenciável deste ano estão entre os principais fatores que pesaram na decisão da S&P.

Brasil está firmemente posicionado na categoria “duplo B” com perspectiva estável, de acordo com o head Latam da agência de classificação de risco Fitch Ratings, Peter Shaw. A possibilidade de o País descer mais um grau na escala, conforme ele, é a principal pergunta dos investidores em relação ao País. Mas, embora ainda apresente fraqueza em suas finanças públicas, segundo Shaw, o País não está exposto à volatilidade externa e apresentou melhoras do ponto de vista da demanda doméstica.

Em 26 de fevereiro, a Fitch rebaixou o IDR (Issuer Default Rating – Rating de Probabilidade de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moeda Estrangeira do Brasil para “BB-“, de “BB”, e revisou a perspectiva para estável, de negativa antes. “O caminho do Brasil ao retorno do grau de investimento será longo, mas poderia ser acelerado com consolidação fiscal, estabilização do endividamento e um ambiente de atração de investimento, crescimento e ainda um ambiente mais estável do lado político”, afirmou Shaw durante o Summit Imobiliário Brasil 2018.

O tempo que cada País leva para retomar o grau de investimento, contudo, varia, de acordo com Shaw. Em média, mais de 50% dos países rebaixados pela Fitch, segundo ele, nas últimas duas décadas, conseguiram recuperar o selo de “bom pagador”.

“Demorou em média seis anos, mas há uma variedade de prazo. Enquanto a Malásia e Coreia do Sul demoraram menos de um ano, países que sofreram com crises cambiais demoraram mais, como a Colômbia, que levou 11 anos, e a Indonésia, 14 anos”, explicou.

Para o Brasil a Fitch espera crescimento de 2,5% do PIB neste ano e melhora de 2,7% em 2019.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!