Dólar tem pequena queda e mantém patamar de R$ 3,40 – Jornal do Comércio

Depois do estresse de segunda-feira (9), quando alcançou maior patamar em 16 meses, o dólar à vista devolveu um pouco da alta e encerrou nesta terça-feira (10), a R$ 3,4104 (-0,28%) – mantendo a casa dos R$ 3,40. Na B3, o dólar para maio estava em baixa de 0,35% a R$ 3,416, às 17h16. O giro dos negócios no futuro (vencimento de maio) estava em cerca US$ 23 bilhões; no mercado à vista, somou US$ 1,9 bilhão.

A sessão foi marcada pela volatilidade. A moeda abriu em queda, começou a subir e bateu a máxima de R$ 3,4358. No começo da tarde, oscilou entre leves altas e baixas e, na reta final do pregão, manteve a queda. O comportamento dos preços do petróleo, de forte alta, ao redor do 3,7%, contribuiu para a queda. A moeda americana teve um dia de enfraquecimento em relação a diversas moedas de países emergentes, à exceção do rublo.

Ignácio Crespo, economista da Guide Investimentos, destaca que nas últimas semanas a divisa brasileira tem apresentado volatilidade muito elevada. “A volatilidade do real se compara, por exemplo, à observada no rublo, num momento em que a Rússia enfrenta sanções dos Estados Unidos”, afirmou. “É difícil falar sobre o câmbio nesse ambiente de alta volatilidade”, disse. Para Crespo, a moeda oscilou nesta terça mais em função do ambiente externo, já que não houve notícia local que tenha formado preço.

O ambiente doméstico, no entanto, continua na cabeça de todos os investidores, pelas incertezas eleitorais. O mercado ainda aguarda a divulgação de pesquisas e acompanhar quais candidatos se destacam num cenário sem Lula, por exemplo. O Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou que o DataFolha está com uma pesquisa em campo de intenção de votos à Presidência, com previsão de divulgação no dia 15.

Em evento organizado pelo Itaú, o economista-chefe do banco, Mario Mesquita, disse que a inflação está em patamar benigno, em torno de 3%. Para ele, o câmbio no patamar dos R$ 3,40 não é preocupante para a inflação. “O câmbio vinha ajudando e agora vai ajudar menos”, disse ele, ressaltando que pelo fato de o Brasil ser uma economia muito fechada, o real precisaria se depreciar muito mais, com o dólar batendo os R$ 3,70 ou mais, para a trajetória de inflação piorar substancialmente.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!