Ouro fecha no maior nível desde fevereiro, em meio a tensões geopolíticas – Jornal do Comércio

O contrato futuro de ouro alcançou o nível mais alto em quase dois meses nesta quarta-feira, em meio a uma busca por ativos considerados mais seguros após as crescentes tensões entre os Estados Unidos e a Rússia sobre a questão síria.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para entrega em junho avançou 1,05%, a US$ 1.360,00 por onça-troy, no maior patamar desde fevereiro.

Na manhã desta quarta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou atacar a Síria com mísseis. Em mensagem no Twitter, ele também criticou a Rússia por ser aliada do regime de Bashar al-Assad, acusado nos últimos dias de responsabilidade em um ataque com armas químicas contra civis sírios.

“A Rússia se compromete a derrubar quaisquer mísseis disparados na Síria. Fique preparada, Rússia, porque eles estão vindo, belos e novos e “inteligentes”!”, afirmou Trump em sua mensagem. “Vocês russos não deveriam ser parceiros do Animal Assassino do Gás Assad, que mata seu povo e gosta disso!”, disse.

De acordo com o HSBC, os preços do ouro devem subir moderadamente neste ano, com os investidores buscando abrigo contra as tempestades geopolíticas. O banco prevê aumentos modestos em 2018 e 2019, após forte demanda no ano passado, à medida que vários riscos globais, da tensão comercial à volatilidade dos mercados, aumentam a demanda.

“Nossa nova previsão média para 2018 é de que o ouro termine cotado a US$ 1.329, enquanto, em 2019, deve terminar cotado a US$ 1.340 por onça-troy”, disse o economista-chefe do HSBC para metais preciosos, James Steel. “O mais importante é o apelo do ouro em tempos de risco e volatilidade: as tensões comerciais e geopolíticas, em particular, tendem a ser favoráveis”, afirmou. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!