Petróleo fecha na cotação de ajuste mais alta em mais de três anos – Jornal do Comércio

O petróleo fechou em altas superiores a 3% na sessão desta terça-feira (10) à medida que, entre investidores, o alívio das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China se combinou ao crescente risco geopolítico no Oriente Médio.

Ou seja, enquanto o novo desdobramento da relação sino-americana sinaliza que a demanda global pela commodity não deve ser penalizada por conta de embates tarifários, as possíveis medidas retaliatórias dos EUA e de aliados em relação a ações dos governos da Síria e do Irã apontam para uma potencial redução da oferta internacional do óleo.

“O risco cadente de uma guerra comercial e o risco em ascensão de uma guerra real na Síria provocaram o enorme movimento de alta”, resumiu o analista de mercado da Price Futures Group, Phil Flynn.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para maio fechou em alta de 3,30%, a US$ 65,51 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do Brent para junho avançou 3,48%, a US$ 71,04, na cotação de ajuste mais alta em mais de três anos.

No noticiário setorial, o Departamento de Energia americano (DoE, na sigla em inglês) elevou suas expectativas para os preços do petróleo WTI e Brent no fim deste ano e do próximo. De acordo com a agência, o barril do óleo tipo Brent deve encerrar estar cotado a US$ 63 tanto ao fim de 2018 quanto de 2019. Já o WTI deve encerrar os dois anos cotado a US$ 59 por barril.

Já a Arábia Saudita disse que manterá seus níveis gerais de produção de petróleo em maio abaixo de 7 milhões de barris por dia (bpd), em linha com o compromisso do país no âmbito da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Além disso, a petroleira francesa Total e a Saudi Aramco assinaram um memorando de entendimento para a construção de um complexo petroquímico na Arábia Saudita, com investimentos de até US$ 5 bilhões.

Por fim, há relatos de que a ExxonMobil mantenha conversas com o Qatar em torno de uma parceria na qual a estatal Qatar Petroleum investiria nos vastos recursos da empresa americana no setor de gás, com contrapartidas favoráveis também a operações da Exxon em poços de petróleo.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!