Presidente do Facebook admite regulação no setor – Jornal do Comércio

 O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou que aceitaria a “regulação certa” a companhias de tecnologia pelo governo ou pelo Legislativo, durante depoimento ontem ao Senado dos Estados Unidos. Questionado se trabalharia com o Congresso em prol de uma regulação específica para o setor, Zuckerberg respondeu: “Se for a regulação certa, sim, certamente”.

É uma mudança significativa em relação à postura do Facebook até hoje – a empresa faz lobby há anos no Congresso dos EUA para evitar a introdução de regulações a companhias de tecnologia, vistas como grilhões ao crescimento das plataformas.

O executivo foi questionado pelo senador democrata Richard Blumenthal, que afirmou que o uso de dados pela empresa Cambridge Analytica contrariou as próprias regras do Facebook e disse que a empresa usou de “cegueira proposital” sobre o tema – Zuckerberg respondeu que não concordava com a avaliação do senador.

Este é o primeiro testemunho de Zuckerberg ao Congresso norte-americano, em meio a um cerco da opinião pública sobre os controles de privacidade da plataforma e sua responsabilidade na difusão de notícias falsas e manipulação política.

O escândalo envolvendo a consultoria britânica Cambridge Analytica ganhou visibilidade após um ex-funcionário da empresa revelar aos jornais The New York Times (EUA) e The Guardian (Reino Unido), em março, que informações de dezenas de milhões de americanos foram usadas pela companhia para criar publicidade personalizada e influenciar eleições em todo o mundo, inclusive a disputa de 2016 que resultou na vitória de Donald Trump. No total, 70 milhões de pessoas tiveram dados usados sem permissão.

Para o presidente do Facebook, estabelecer regras para a divulgação de políticas de privacidade concisas e claras, por exemplo, ou para obrigar as plataformas a dar ferramentas ao usuário para que ele decida o que vai divulgar e para quem são bons tipos de regulações.

Zuckerberg ressalvou, porém, que regras que emperrem a inovação, como na área de reconhecimento facial, devem ser evitadas, sob pena de empresas norte-americanas ficarem atrás de companhias chinesas.

O executivo pediu desculpas por ter falhado em proteger os dados dos usuários, em especial durante as eleições norte-americanas e no escândalo da Cambridge Analytica, e assumiu responsabilidade pessoal pelo erro.

Em suas primeiras intervenções, os congressistas questionaram em especial o modelo de negócios de redes sociais como o Facebook. “O potencial para crescimento e inovação baseados na coleta de dados é ilimitado. Porém o potencial para abusos também é significativo”, disse o senador republicano Chuck Grassley, após citar companhias como Google, Twitter, Apple e Amazon. É um indicativo de que outras empresas de tecnologia devem estar na mira dos senadores em breve.

Manifestantes vestindo camisetas com a hashtag #DeleteFacebook, peruca com as cores da bandeira da Rússia, estudantes e meros curiosos formavam fila ontem para ouvir o depoimento de Mark Zuckerberg, presidente do Facebook, ao Senado dos EUA.

É a primeira vez que Zuckerberg depõe ao Congresso norte-americano, em meio a uma crescente pressão sobre os controles de privacidade da plataforma e seu uso para difusão de informações falsas e para a manipulação política.

Pelo menos 300 pessoas aguardavam na fila, para uma sala em que cabia pouco menos da metade. As primeiras chegaram às 8h – a audiência começou apenas quatro horas depois. “Eu gostaria de ouvir ele pedir desculpas, porque eu tive meus dados expostos e vendidos a terceiros sem minha autorização”, disse a estudante Annmarie Rienzi, que vestia uma camiseta com a hashtag #DeleteFacebook.

Os dados dela foram expostos à consultoria política Cambridge Analytica, que comprou informações de um aplicativo do Facebook e as usou para difundir propaganda política em favor de Donald Trump durante as eleições norte-americanas. Apesar da camiseta, ela ainda não apagou sua conta na rede social. “Vai depender do que ele disser.”

A organização VPN, que atua em prol da privacidade digital, levou cerca de 50 pessoas à frente do Capitólio para protestar. O diretor Michael Gargiulo defende que é preciso obrigar as empresas de tecnologia a divulgarem vazamentos de dados – e responsabilizar seus executivos. “A Cambridge Analytica certamente é apenas uma entre centenas de casos. E eles não estão sendo transparentes”, afirmou.

Havia também estudantes e curiosos, como um grupo de alunas de Direito da Universidade da Califórnia. “É um novo território na área jurídica, porque nós confiamos informações importantes a essas companhias, e elas também precisam assumir responsabilidades com relação a isso”, disse Erika Budrovich.

A rede de mobilização social pela internet Avaaz levou centenas de recortes em tamanho natural de Zuckerberg para a frente do Capitólio com a inscrição “conserte o Facebook” na camiseta do CEO, pedindo atenção para o vazamento das informações de milhares de usuários.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!