Recuo da soja impacta e safra gaúcha cai 11,4% – Jornal do Comércio

Terceiro maior produtor de soja no Brasil, o Rio Grande do Sul deve sofrer com o decréscimo de 11,1% da safra em 2017/2018, cuja previsão é de chegar a no máximo em 16,6 milhões de toneladas do grão. A perda de mais de 2,1 milhões de toneladas frente a 2016/2017 (quando a safra da oleaginosa no Estado foi de 18,7 milhões toneladas) se deve à região produtora ter sido atingida pela estiagem, observa o substituto da Superintendência Regional da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Carlos Roberto Bestétti.

“A falta de chuva que atingiu principalmente os municípios de Santo Antônio das Missões e São Sepé, além de toda a Zona Sul, prejudicou o desenvolvimento do grão e as folhas abortaram, diminuindo a produtividade”, destaca. Com o impacto da soja e outras culturas, a produção gaúcha de grãos deve cair 11,4% ante o ciclo anterior, passando de 35,51 milhões de toneladas para um volume de 31,46 milhões de toneladas. 

A área de plantio de soja no Rio Grande do Sul teve variação positiva de 2,2%, ficando em 5,69 milhões de hectares cultivados. Já a produtividade deve ficar 13% mais baixa que no ano passado, diminuindo de 3,3 mil kg/ha para 2,9 mil kg/ha. “A maioria dos municípios da Zona Sul do Estado perdeu mais de 50% da produção”, observa Bestétti. Ele comenta que os bons resultados das regiões Nordeste e Norte do Rio Grande do Sul pareciam ser capazes de recuperar as perdas da Metade Sul. “Porém esta possibilidade já foi descartada”, lamenta.

Quanto ao arroz, o levantamento aponta produtividade de 7.293 kg/h, variação negativa de 8% no confronto com o ciclo anterior, e volume de produção esperado 10% menor. Neste ano serão 7,85 milhões de toneladas contra 8,72 milhões em 2016/2017. “Atualmente, os produtores estão colhendo a parte atingida pelo frio e semeada a céu aberto”, comenta o superintendente. Ele afirma que, por isso, ainda não se tem resultado das respostas da lavoura, mas que devido aos problemas da colheita em época de semeadura (que representa 77% da safra), já estão previstas quase 1 milhão de toneladas a menos.

Bestétti chama atenção para o fato de que a produção de arroz no Rio Grande do Sul representa mais de 70% da produção total do País, “o que é um problema”, uma vez que o produto fica concentrado em uma só região e depende de uma logística cara. “O Paraguai está em situação geográfica privilegiada, e consegue colocar o produto no mercado por um preço menor”, compara. Também o milho – cuja produção de 2 milhões de toneladas a menos que o consumo interno – será um problema a ser enfrentando no Estado, avalia o superintendente da Conab. “Será preciso importar o produto, e o custo da logística vai influenciar no preço, criando problemas na cadeia e tirando lucratividade dos setores de suínos e aves, além de inviabilizar o confinamento bovino.”

Com menos 9,5% de área de produção em 2017/2018 (somando 728,4 mil hectares), o milho deve atingir uma produtividade total de 6,5 mil kg/ha (queda de 13,2% frente à safra anterior) e chegar a 4,7 milhões de toneladas apenas – 21,5% menor do que 2016/2017. “O que foi plantado na Zonal Sul não gerou grão pela falta de chuva, e o pessoal forneceu de alimento para o gado, o que resultou em quase nada de safra”, pontua Bestétti.

Com plantio previsto para iniciar no próximo dia 10 de maio, o trigo é a cultura com a expectativa mais negativa para este ano, porém os dados da Conab ainda não indicam esse cenário. “Os produtores estão desestimulados, e aguardam um aceno do governo federal com linhas de créditos e outras medidas que viabilizem o custo de produção.” Por enquanto, a previsão é de uma produção de 1,31 milhão de toneladas, expansão de 2,9% sobre o ciclo anterior.

Volume nacional de grãos deve atingir 229,53 milhões de toneladas, recuo de 3,4%

A produção brasileira de grãos na safra 2017/2018 deverá alcançar 229,53 milhões de toneladas, o que corresponde a uma queda de 3,4% em comparação com a safra recorde do período anterior 2016/2017, que foi de 237,67 milhões de toneladas.

Apesar do decréscimo, o número é ainda bastante elevado, 3,492 milhões de toneladas superior ao levantamento anterior, de março. Conforme relatório da Conab, o desempenho é “resultado do avanço da colheita da soja e do milho primeira safra, que tem confirmado boas produtividades e uma estimativa maior da área de milho segunda safra”. “Apesar desse resultado ser 3,4% menor que o da última safra, o Brasil deve colher a segunda maior safra da história”, diz a Conab.

Já a produtividade recorde da safra passada, que foi beneficiada por um excelente clima, não se repetiu agora, mesmo com a situação climática considerada boa na maioria das regiões produtoras. A soja é a maior responsável pelo bom desempenho da produção. A leguminosa, em fase final de colheita, deve alcançar 114,96 milhões de toneladas, aumento de 0,8% ante a safra anterior.

A primeira safra de milho deve atingir 25,6 milhões de toneladas, queda de 9,4% em comparação com o período anterior (30,46 milhões de toneladas). A segunda safra de milho (de inverno) está projetada em 63,02 milhões de toneladas (queda de 6,5% ante as 67,38 milhões de toneladas da safra passada). Desse modo, o total da safra do cereal em 2017/2018 deve alcançar 88,62 milhões de toneladas, queda de 9,4% ante o período anterior (97,84 milhões de toneladas).

Conforme a Conab, as culturas de soja e milho primeira safra estão em fase final de colheita. A área estimada sinaliza um aumento de 0,8% comparado ao período anterior, atingindo 61,38 milhões de hectares, aumento de 0,8% ante 2016/17. Na ordem crescente de ganho absoluto da área plantada, vem primeiro a soja com 1,2 milhão de hectares. Com os ganhos obtidos, a área total da soja ficou em 35 milhões de hectares. Outros destaques em relação à área foram

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!