Emissões de renda fixa crescem 49,1% no 1º trimestre, diz Anbima – Jornal do Comércio

As emissões de títulos de renda fixa, incluindo híbridos, somaram R$ 29,1 bilhões no primeiro trimestre, alta de 49,1% frente ao mesmo período do ano passado. As debêntures corresponderam a 73% das operações de renda fixa, seguidas por fundos imobiliários (9%) e notas promissórias (8%).

Em relação aos prazos, existe indicação de alongamentos entre as debêntures, notou José Eduardo Laloni, diretor da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). “De janeiro a março, o prazo médio voltou ao verificado em 2013 e 2014, confirmando a boa tendência”, disse.

Segundo a Anbima, 23,6% dos prazos das debêntures têm vencimento superior a sete anos. Olhando para o perfil dos prazos das debêntures, na primeira repactuação, 21,6% estão em 10 anos ou mais, contra 9,8% no primeiro trimestre do ano passado.

Outro destaque foi a concentração das captações por meio de debêntures no setor de infraestrutura. As emissões de debêntures incentivadas subiram 264%. Laloni comentou que o setor de assistência médica começa a aparecer nesse mercado. O setor captou R$ 3,5 bilhões no primeiro trimestre deste ano, com quatro emissões. A relação de originação e distribuição se manteve acima de 50%.

Os investidores institucionais vêm ganhando espaço no perfil de subscritores das debêntures, que estiveram em 11,6% das operações no primeiro trimestre deste ano, contra 5% no mesmo período do ano passado. A participação das pessoas físicas nas emissões de debêntures ficou levemente acima do primeiro trimestre do ano passado, em 3,4% neste ano. Nos três primeiros meses do ano passado, foi de 3,2%.

As emissões no mercado de capitais externo atingiram R$ 31,6 bilhões no fechamento do primeiro trimestre, 0,32% abaixo dos três primeiros meses do ano passado. Em renda variável, o volume foi praticamente nulo, com apenas uma operação, contra montante de R$ 9,4 bilhões no primeiro trimestre de 2017, com seis operações.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!