Petróleo fecha sem direção única após Trump falar sobre ataque à Síria – Jornal do Comércio

Os preços do petróleo fecharam sem direção única na sessão desta quinta-feira (12) após uma manifestação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a Síria desarmar, em parte, a percepção de risco geopolítico que vinha fazendo os preços da commodity dispararem.

Na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo Brent para junho fechou em baixa de US$ 0,04 (-0,06%), a US$ 72,02. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para maio subiu US$ 0,25 (+0,37%), para US$ 67,07.

Trump foi ao Twitter na manhã desta quinta com a afirmação de que a execução de uma ação militar americana contra as forças do governo sírio “pode ser muito em breve ou nada em breve”. N quarta, no entanto, ele havia usado a mesma rede social para dizer à Rússia, o maior aliado do presidente Bashar al-Assad, que se preparasse, porque mísseis “legais e novos e ‘inteligentes’ (…) estão a caminho” da Síria.

Para além da contradição entre posturas de Trump em dias diferentes, o discurso volátil do ocupante da Casa Branca se embaralha também com falas de um de seus principais subordinados.

Em um comitê da Câmara dos Representantes dos EUA, o secretário de Defesa do país, James Mattis, disse acreditar que houve um ataque químico contra civis na Síria, mas comentou que seu gabinete está “procurando a evidência real” que comprove a acusação.

As confusas sinalizações emanadas pela Casa Branca provocaram uma realização de lucros durante a manhã, embora o movimento não tenha mantido a mesma força durante toda a sessão, com os investidores voltando a procurar os contratos.

No noticiário setorial, o mercado também esteve atento ao relatório mensal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de abril. O documento indicou que a produção de óleo do cartel caiu 201 mil barris por dia em março, para uma média de 31,96 milhões de barris por dia. A queda em março foi atribuída à redução da produção na Angola, na Venezuela, na Argélia e na Arábia Saudita.

Ao mesmo tempo, a oferta total mundial subiu 180 mil barris por dia no mês passado, resultado do aumento a produção de produtores de fora da Opep, como os EUA, a Noruega e o Reino Unido.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!