Petróleo opera em baixa, mas em patamar alto com risco geopolítico e após Opep – Jornal do Comércio

Os contratos futuros de petróleo operam em queda na manhã desta quinta-feira (12), mas ainda próximos de máximas em cerca de três anos, com investidores ainda preocupados de que o crescente risco geopolítico no Oriente Médio possa afetar a oferta. Isso se sobrepõe a outros fatores de mercado, incluindo os dados de produção dos Estados Unidos. O relatório mensal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), divulgado há pouco, não alterou muito o cenário no mercado.

Às 8h22min (de Brasília), o petróleo WTI para maio tinha baixa de 0,22%, a US$ 66,67 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para junho caía 0,36%, a US$ 71,80 o barril, na ICE. Na quarta-feira (11), o Brent atingiu máxima desde 2014, a US$ 71,93 o barril, enquanto o WTI tocou mais cedo máxima em mais de três anos, a US$ 67,33.

Os investidores avaliam notícias sobre eventuais ações de países do Ocidente na Síria, bem como relatos de que a Arábia Saudita interceptou um míssil sobre Riad na quarta-feira, o que aumentou o temor de instabilidade regional. Cerca de dois terços das reservas globais de petróleo estão no Oriente Médio.

Analista sênior da consultoria Global Risk Management, Michael Poulsen explica que a Síria em si não é um importante produtor, mas há o medo de que uma escalada na região possa colocar mais produção em risco. Existe ainda a possibilidade de que os EUA voltem a impor sanções contra o Irã, um importante produtor, quando revisar o acordo nuclear internacional com Teerã, em maio. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!