Renda dos mais pobres caiu 38% no ano passado – Jornal do Comércio

Pesquisa


Notícia da edição impressa de 12/04/2018.
Alterada em 11/04 às 21h08min

Renda dos mais pobres caiu 38% no ano passado

No ano de 2017, o Brasil ainda tinha até 5% da população trabalhadora com rendimento médio mensal de apenas R$ 47,00. Os dados foram compilados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc) e divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado representa, ainda, uma queda drástica em relação aos R$ 76,00 recebidos no ano anterior, o equivalente a uma redução de 38%.

A queda reflete a situação do mercado de trabalho no País, com o fechamento de vagas com carteira assinada. Também caiu a renda média dos trabalhadores que estão entre o 1% mais rico, que passou de R$ 28.040,00 para R$ 27.213,00.

Ao mesmo tempo, houve queda no percentual de domicílios beneficiados pelo Programa Bolsa Família, que passou de uma fatia de 14,3%, em 2016, para 13,7% em 2017. Apesar da queda, as regiões Norte (25,8%) e Nordeste (28,4%) permaneceram com maiores percentuais de beneficiários. Os domicílios que recebiam o Bolsa Família tinham renda média mensal real per capita de apenas R$ 324,00 no ano passado. Nos lares que não possuíam necessidade do benefício de transferência de renda do governo, o rendimento médio por habitante subia a R$ 1.489,00.

Em 2017, 60,2% da população brasileira, ou 124,6 milhões de pessoas, tinham algum tipo de rendimento, sendo 41,9% (86,8 milhões de indivíduos) provenientes de todos os trabalhos e 24,1% (50,0 milhões) originários de outras fontes. A pesquisa detectou que, com a crise, aumentou a participação de outras fontes, além do trabalho, na renda dos brasileiros. A fatia referente a rendimentos obtidos com trabalhos caiu de 74,8% para 73,8%. Com relação a 2016, o número de brasileiros que recebeu rendimentos de todos os trabalhos caiu 0,4%, de 87,095 milhões para 86,785 milhões. Já os que têm outras fontes de renda cresceu 1,3%, de 49,314 milhões para 49,957 milhões.

Entre os rendimentos de outras fontes, os mais frequentes eram aposentadoria ou pensão, recebidos por 14,1% da população com alguma renda, seguidos por pensão alimentícia, doação ou mesada de não morador (2,4%); aluguel e arrendamento (1,9%); e outros rendimentos (7,5%), categoria que inclui seguro-desemprego, programas de transferência de renda (como o Bolsa Família) e poupança.

O rendimento médio de todas as fontes foi de R$ 2.112,00 em 2017. O rendimento médio real efetivo de todos os trabalhos alcançou R$ 2.237,00, enquanto a renda média mensal real apenas de outras fontes foi de R$ 1.382,00. A renda média obtida por aposentadoria ou pensão foi de R$ 1.750,00.

Desigualdade cai no Sudeste e cresce nas demais regiões do Brasil, diz IBGE

A pesquisa verificou estabilidade na desigualdade de renda no Brasil. Assim como no ano anterior, os 10% mais ricos concentraram, em 2017, 43% da massa de rendimentos do País, que somou R$ 263 bilhões. A diferença salarial entre o 1% mais rico e os 50% mais pobres foi de 36,1%, estável em relação aos 36,3% verificados em 2016.

O País fechou o ano passado com o índice de Gini – principal medida da desigualdade de renda – estável. O rendimento médio mensal real domiciliar per capita ficou em 0,549, praticamente igual ao de 2016, e, mesmo com variação pequena em 2017, o indicador subiu em todas as regiões, com exceção do Sudeste, onde recuou de 0,535 para 0,529.

O índice de Gini é o instrumento que mede o grau de concentração de renda da população, mostrando a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos.

Nas regiões Sudeste, Nordeste e Sul – as mais populosas do País -, esses índices foram de 0,529, 0,567 e 0,477, respectivamente. Assim, a Região Sudeste foi a única a reduzir o indicador, que, em 2016, foi de 0,535. As demais regiões do País apresentaram indicadores de desigualdade de renda maiores que no ano anterior.

 

Concluir o Ensino Superior triplica rendimentos dos profissionais

O nível de instrução é determinante para a renda dos brasileiros. O rendimento de quem concluiu o Ensino Superior é, praticamente, o triplo do daqueles que têm apenas o Ensino Médio, segundo a Pnadc.

De acordo com o estudo, o rendimento médio mensal dos profissionais com faculdade foi de R$ 5.110,00 no ano passado, enquanto os que completaram apenas o Ensino Médio ganharam R$ 1.727,00, em média, por mês. Comparados com os trabalhadores sem qualquer nível de instrução – cuja renda média foi de apenas R$ 842,00 -, quem tem nível superior ganhou seis vezes mais.

O IBGE mostra que o acréscimo de salário depende da conclusão do curso. Os profissionais com nível superior incompleto ganharam, em média, R$ 2.186,00 por mês no ano passado, 43% do salário de um diplomado. Mesmo assim, esses trabalhadores receberam 27% mais que aqueles que pararam na conclusão do Ensino Médio. O rendimento médio de quem concluiu apenas o Ensino Fundamental foi de R$ 1.409,00 em 2017.

O aprofundamento da crise e o aumento do desemprego levaram à diminuição da renda de profissionais com vários níveis de formação. Os com Ensino Superior completo ganhavam
R$ 5.371,00 em 2016, perdendo, em média, 4,86% do salário no ano passado. Os que mais sofreram, porém, foram os mais pobres: aqueles sem instrução viram sua renda média cair 8% em um ano – de R$ 915,00 para
R$ 842,00.

As mulheres mantiveram a sua diferença salarial em relação aos homens. Elas recebem 77,5% do salário masculino: R$ 1.868,00 contra R$ 2.410,00. Mas já foi pior. Em 2016, as mulheres ganhavam 77,2% do que ganhavam os homens. Entre negros e brancos, a distância também se manteve. Os pardos ganham o equivalente a 57% do salário dos brancos. Entre os negros, a distância é ainda maior: eles ganham somente 55,8% do salário dos brancos.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!