Juros de curto prazo caem com redução da expectativa de crescimento – Valor

SÃO PAULO  –  A frustração com o ritmo de crescimento da economia sinaliza que ainda há espaço para estímulo monetário no Brasil. Com a inflação bem-comportada, os dados mais fracos de serviços e vendas no varejo reforçam, nesta terça-feira (13), a leitura de que os juros podem permanecer baixos por mais tempo, o que explica a queda dos juros futuros.

Algumas grandes instituições, inclusive, já começam a revisar seus números para a expansão do PIB. O Bradesco reduziu sua estimativa e agora projeta alta de 2,5%, ante 2,8% na projeção anterior. O Itaú manteve sua leitura para o ano, de 3%, mas cortou pela metade o crescimento esperado no primeiro trimestre, a 0,5%.

As novas expectativas sinalizam que a economia ainda não respondeu totalmente ao impulso monetário trazido pela queda da Selic. E por isso, a política monetária pode se manter em território expansionista por mais tempo. O Santander Brasil aposta que a Selic deve começar a subir a partir do segundo semestre de 2019 para 7,5% até o fim do ano. O cenário foi revisado recentemente, com corte de 1 ponto ante a estimativa anterior.

A semana contou com uma série de indicadores que amparam a visão de juros baixos por mais tempo. Hoje, foi a vez do volume da atividade de serviços, que cresceu apenas 0,1% em fevereiro. O resultado reforçou o sinal de morosidade econômica, que já tinha sido apontado na quinta-feira (12) pela queda de vendas no varejo. E vale lembrar que os números mais recentes de atividade acompanham a tendência da inflação: o IPCA subiu apenas 0,09% em março, ainda mais baixo que o esperado de 0,12%.

Os dados serviram de gatilho para o mercado apostar num cenário de juros baixos por mais tempo ou uma alta mais amena de taxas mais para frente. Esse é um ‘”trade” que vinha sendo represado, diz o operador Matheus Gallina, da Quantitas. “Os dados abriram uma janela e o mercado operou sobre uma postergação do ciclo de alta”, acrescenta.

Isso se traduz na queda dos juros curtos, enquanto os longos continuaram em alta. A tendência pode ser estendida na semana que vem, que traz o IBC-Br e o IPCA-15 de abril para detalhar o ritmo de atividade e inflação, respectivamente.

Por causa da baixa demanda na economia, a inflação deve ficar abaixo do centro da meta, de acordo com as projeções dos especialistas para este e o próximo ano.

“O que está começando a acontecer é a percepção de que a atividade (PIB) de 2018 não vai ser o que se projetava no final do ano de 2017, vai ser mais baixa”, diz o estrategista Paulo Nepomuceno, da Coinvalores. E assim, não há tanto espaço para a inflação acelerar no curto prazo.

Olhando para o curtíssimo prazo, entretanto, a chance de um afrouxamento monetário para além de um corte da Selic em maio ainda é dúvida. Neste primeiro semestre, o Copom tem mais duas decisões: a do mês que vem tem amplas expectativas de baixa da taxa, enquanto o anúncio de junho é visto com ceticismo.

No fim da sessão regular, às 16h, o DI janeiro/2019 marcava 6,225% (6,225% no ajuste anterior), o DI janeiro/2020 recuava a 6,920% (6,980% no ajuste anterior), o DI janeiro/2023 caía a 9,190% (9,120% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2025 tinha taxa de 9,730% (9,640% no ajuste anterior).

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!