Ouro fecha em alta com cautela sobre comércio e geopolítica, mas sem fôlego – Jornal do Comércio

Os contratos futuros de ouro tiveram ganhos nesta sexta-feira. O metal, porém, chegou a oscilar entre ganhos e perdas, sem muito impulso, apesar de tensões recentes na área comercial e das divergências entre os Estados Unidos e a Rússia na questão da Síria.

O ouro para junho fechou em alta de US$ 6,00 (0,45%), a US$ 1.347,90 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). Na comparação semanal, houve avanço de 0,88%.

Os preços têm oscilado na faixa entre US$ 1.305 a US$ 1.360 neste ano, baseando-se nos movimentos de maior demanda em busca por segurança, nas variações do dólar e nos temores sobre a perspectiva de juros mais altos.

Na quarta-feira, a cautela com o quadro comercial e as tensões entre os EUA e a Rússia após um suposto ataque químico no fim de semana na Síria levaram o ouro novamente à faixa de US$ 1.360, mas alguns analistas têm dito que não esperam uma escalada completa dos conflitos nem problemas graves na economia global. Na quinta-feira, o metal precioso voltou a recuar, novamente sem fôlego.

O dólar relativamente estável tem limitado os ganhos do ouro nas últimas semanas. Investidores também monitoram indicadores econômicos e sinais de dirigentes de bancos centrais com apreensão, já que juros mais altos tendem a elevar os retornos dos Treasuries e tornar o ouro menos atraente, em comparação. Walter Pehowich, da Dillon Gage Metals, disse que o ouro deve seguir na mesma faixa, até que exista mais clareza sobre quantas elevações de juros ocorrerão nos EUA neste ano. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!