País cai uma posição no ranking do comércio global – Jornal do Comércio

O Brasil continua a perder espaço entre os maiores exportadores e importadores do mundo. Dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) revelam que, mesmo com um aumento importante de vendas gerado pela recuperação dos preços de commodities, o Brasil caiu da 25.ª para a 26.ª posição em 2017 entre os maiores exportadores do mundo.

Entre os importadores, o País ocupa a 29ª posição. Em 2016, o Brasil era o 28º maior comprador e chegou a ser o 21º em 2013. Agora, a nova posição é a pior desde 2003, quando o Brasil chegou a ser o 30.º maior importador do mundo e com apenas 0,7% do mercado.

Os números revelam que houve uma expansão das exportações nacionais, beneficiadas amplamente pela alta nos preços de commodities. Em volumes, a alta foi de 6,8%. Mas em valores, ele atingiu mais de 17,5%.

A taxa de crescimento das vendas do País ficou bem acima da média mundial, que registrou uma expansão de 10,6% em 2017. No total, o Brasil exportou US$ 218 bilhões. Mas outros cresceram de forma mais intensa e, mesmo com os bons resultados, o Brasil foi superado por Malásia, Arábia Saudita e outras economias. O resultado foi a queda de um posto no ranking dos maiores exportadores.

Em termos de participação no mercado internacional, o Brasil manteve uma fatia de 1,2%, mesma taxa de 2016. Hoje, Polônia, Austrália ou Tailândia exportam mais que o Brasil ao mundo. O Brasil, que chegou a ser o 22º maior exportador do mundo, previa estar entre os 20 primeiros se a crise não tivesse atingido os preços de sua pauta exportadora a partir de 2011.

Nesse ranking, a líder é a China, com US$ 2,2 trilhões em vendas em 2017. Os americanos aparecem com US$ 1,54 trilhão, em segundo lugar.

Para 2018 e 2019, as previsões extraoficiais sobre o Brasil apontam que a expansão no volume de bens exportados também perderá força. Para este ano, as estimativas sugerem um crescimento de 5,7%, contra 4,3% em 2019.

O fim da recessão no Brasil permitiu, de fato, que as importações voltassem a aumentar em 2017, depois de três anos de contração nas compras de bens estrangeiros. No ano passado, elas aumentaram em 9,7% em valores, atingindo US$ 157 bilhões. Mas ainda abaixo da pequena economia da República Checa.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!