Despesas básicas sobem mais que a inflação – Jornal do Comércio

A escalada dos preços da energia elétrica e da gasolina, acima da inflação, tem corroído o orçamento das famílias brasileiras, apesar do aumento da massa salarial. De janeiro de 2015 para cá, o porcentual de renda disponível – depois do pagamento de despesas essenciais – caiu quase dois pontos porcentuais, de 45,6% para 43,76%. É o menor patamar desde 2009. Isso significa que o brasileiro poderia estar consumindo, a mais, algo em torno de R$ 14,5 bilhões.

Levantamento da Tendências Consultoria Integrada mostra que a despesa que mais avançou sobre o orçamento do brasileiro foi a gasolina, que subiu de 4,86% para 5,6% no período. O resultado é reflexo especialmente da nova política de preços da Petrobrás, que agora repassa de forma imediata o sobe e desce do petróleo no mercado internacional.

De meados do ano passado até o início deste ano, o preço do combustível na bomba subiu 19,5%. Em janeiro de 2015, o litro da gasolina era vendido a um preço médio de R$ 3,032 no País; neste mês, o valor está em R$ 4,219, segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP).

A conta de luz seguiu a mesma trajetória. O peso na renda das famílias subiu de 2,94% para 3,44%. O agravante é que até o fim do ano a participação no orçamento vai aumentar ainda mais, segundo projeções da Tendências: deve subir para 3,89%. A explicação está nas estimativas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que prevê reajuste médio acima de 10% nas contas neste ano. Em alguns casos, a alta deve superar a casa dos 20% por causa da entrada em operação de usinas térmicas para compensar os reservatórios baixos das hidrelétricas.

O orçamento das famílias, segundo a Tendências, só não está mais apertado porque o arrefecimento dos preços dos alimentos tem compensado parte do aumento da conta de luz, da gasolina, do gás de cozinha, dos planos de saúde e da educação. Além disso, a renda do trabalho voltou a crescer em 2017 e continua ascendente, diz a analista da Tendências, Isabela Tavares.

Na prática, a queda dos porcentuais representa um freio para a retomada da economia. O ritmo do avanço do consumo poderia estar maior, diz o economista Adriano Pitoli, sócio da Tendências. Ele destaca que, para ajustar os aumentos à renda, o brasileiro acaba reduzindo o consumo de bens e serviços considerados supérfluos, como vestuário e bens duráveis. Em fevereiro, as vendas do varejo caíram 0,2% – o pior resultado para o mês desde 2015 -, e um sinal de que a recuperação será mais lenta do que se esperava.

Em três anos, o peso de quase todos os itens essenciais aumentou no orçamento das famílias. As exceções foram alimentos, cuja participação caiu de 16,15% para 15,8%, e telecomunicações, de 4,20% para 3,64%.

Queda da renda reflete endividamento dos consumidores durante tempo de bonança

A queda da renda disponível, depois de descontados os itens essenciais, ocorre em um momento de inflação comportada e uma lenta retomada da massa salarial. “Mas o que percebemos é que essa melhora não tem sido linear”, afirma o economista da Federação do Comércio de São Paulo
(Fecomércio-SP), Guilherme Almeida. Ele destaca que o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) mostra que, para as famílias com renda de até 10 salários-mínimos, a situação é pior do que para quem tem um rendimento maior. “Nesses casos, ainda há dificuldade de aumento de consumo.”

O professor Fernando Ribeiro Leite, do Insper, diz que isso é reflexo do endividamento do brasileiro nos anos de bonança. Depois de descontados os itens essenciais, a renda disponível do brasileiro é usada para pagar as dívidas. Até janeiro, o nível de endividamento das famílias estava em 41,1%, segundo dados do Banco Central (BC). “O País tem uma baixa poupança, uma vez que as famílias alocam um percentual maior da renda para desalavancagem. Isso reduz a renda para consumo.”

Outro dado que reforça essa tese é que o crescimento da massa salarial no primeiro trimestre deste ano foi puxado pelo aumento do número de pessoas que entrou no mercado de trabalho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ou seja, uma das prioridades desses trabalhadores que arrumam emprego depois de passar um tempo desempregados é pagar as dívidas em atraso, e não consumir.

A professora Rina Pereira, do Instituto Brasil de Mercado de Capitais (Ibmec), alerta, ainda, que, apesar de a inflação estar comportada, é preciso tomar cuidado com alguns itens que têm subido bastante, o que pode achatar mais o orçamento dos brasileiros. Além da gasolina e da energia, o valor dos aluguéis voltou a aumentar em março. Pelos dados da Tendências, a participação dessa despesa subiu de 7,19% para 7,4% entre 2015 e agora. “Na média, o brasileiro voltou a consumir alguns produtos que tinha deixado de lado durante a crise. Mas o consumo poderia estar maior.” Além do aumento do peso de alguns itens essenciais, diz ela, o número de brasileiros que desistiu de procurar emprego subiu. No total, são cerca de 4 milhões de pessoas que estão incluídas no grupo de desalentados.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!