Focus reduz de novo projeção para alta do PIB em 2018 – Valor

SÃO PAULO  –  Os economistas do mercado promoveram mais uma rodada de corte nas estimativas para o crescimento da economia neste ano, segundo a mediana das projeções levantadas pelo Banco Central para sua pesquisa semanal FocusA expectativa agora é que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 2,76% em 2018, após a terceira redução consecutiva. No começo de março, o ponto médio do indicador chegou a marcar 2,92%. Para 2019, a estimativa segue nos mesmos 3% em que está há 12 semanas.

Em entrevista ao Valor na semana passada, o novo ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, minimizou as quedas recentes nas projeções de mercado para o crescimento da economia brasileira. “Não estão revendo de 3% para 2%. É coisa marginal, de ajuste dos modelos em função de números que estão sendo divulgados. É na segunda casa decimal”, disse, destacando que mantém a estimativa de crescimento de 3% para este ano.

Selic

Outra mudança que chama a atenção nas projeções coletadas até sexta-feira está nas estimativas para a taxa básica de juros. Embora inalterada em 6,25% para o fim deste ano e 8% para o do próximo entre os economistas em geral, no grupo dos que mais acertam as previsões — os chamados Top 5 — de médio prazo, a mediana para a Selic em dezembro de 2019 caiu 8% para 7,50% entre uma semana e outra. Para 2018, ficou nos mesmos 6,25% que indicava antes.

Inflação

Já as estimativas para o indicador oficial de inflação caminharam em sentidos opostos entre os diferentes grupos: enquanto a mediana das projeções dos economistas em geral para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu de 3,53% para 3,48% em 2018 e de 4,09% para 4,07% em 2019, os Top 5 de médio prazo do indicador reajustaram para cima suas previsões, de 3,41% para 3,56% em 2018 e de 3,70% para 4,05% em 2019.

Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA desacelerou para 0,09% em março, no piso das projeções dos analistas e no menor nível para o mês desde o início do Plano Real, depois de atingir 0,32% em fevereiro.

No acumulado em 12 meses, o índice seguiu em sua trajetória de desinflação: 2,68% no acumulado até março, abaixo dos 2,84% registrados no acumulado até o mês anterior. Dessa forma, o índice completou nove meses abaixo do piso da meta de inflação do governo pelo nono mês consecutivo. O piso da inflação é de 3% neste ano — o centro da meta é de 4,5%, com margem de flutuação de 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!