Dirigentes do Fed e indicadores dos EUA levam dólar a comportamento misto – Jornal do Comércio

O dólar chegou ao final da tarde desta terça-feira (17), em direção distinta em relação às principais moedas, à medida que os investidores ponderaram números da economia dos Estados Unidos e falas de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

No horário de fechamento das bolsas de Nova Iorque, o dólar caía para 107,01 ienes. O euro, por sua vez, recuava para US$ 1,2373, enquanto a libra cedia para US$ 1,4286.

Do lado do fortalecimento da moeda americana, os recentes indicadores da economia do país sugerem a retomada de fôlego no final do primeiro trimestre. Enquanto a atividade deu sinais de enfraquecimento no começo do ano, já em março os dados mostraram recuperação.

Hoje pela manhã, o Fed informou que a produção industrial dos Estados Unidos registrou alta de 0,5% em março ante fevereiro. O resultado, que tem ajustes sazonais, superou levemente a expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam avanço de 0,4%.

Ontem, o Departamento do Comércio apontou alta de 0,6% nas vendas do varejo no mesmo período, bem acima da previsão de 0,3%.

O fortalecimento da economia americana sugere a necessidade de juros mais altos para controlar as pressões inflacionárias, o que também causa a valorização do dólar.

No entanto, na contramão, o discurso de Charles Evans, presidente da distrital de Chicago do Fed, trouxe uma pressão de queda para a moeda americana. Ele só tem poder de voto no Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) no próximo ano, porém comentou que não prevê “um risco desproporcional de desobstrução da inflação” e disse que o baixo desemprego e a inflação ainda longe da meta de 2% podem ser sinais de problemas no mercado de trabalho dos EUA.

Além disso, o presidente do Fed de San Francisco, John Williams, comentou, durante evento em Madri, que as incertezas comerciais podem representar um risco para a economia global e que “a incerteza, sozinha, mesmo sem ações concretas, pode ter um efeito negativo sobre as empresas e sobre as pessoas”. Williams assume em junho o Fed de Nova York, cujo presidente tem assento permanente no Fomc.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!