Dólar fecha em baixa de 0,87%, cotado a R$ 3,3807 – Jornal do Comércio

O dólar à vista fechou em queda de 0,87% nesta quarta-feira 18, cotado a R$ 3,3807, distanciando-se dos R$ 3,40. Na mínima do dia, a moeda foi vendido a R$ 3,3736 (-1,08%). O petróleo WTI teve alta de 2,93%, após o governo americano apontar redução em seus estoques além do esperado pelo mercado.

De acordo com um gestor de banco, o mercado identificou realização de lucros hoje, mas o comportamento do dólar em relação ao real foi semelhante ao que a moeda apresentou em relação a outras de países emergentes. Ele também destacou, porém, que esses pregões também não estavam com grande liquidez.

O especialista ressaltou que os dados de fluxo financeiro, divulgados às 12h30, também deram uma sensação de “melhora de clima” para o câmbio. Segundo o BC, entre os dias 9 e 13 de abril, o fluxo cambial ficou positivo em US$ 3,050 bilhões, sendo US$ 1,449 bilhão no fluxo comercial e US$ 1,601 bilhão no financeiro.

Diante da falta de notícias mais relevantes, os investidores resolveram hoje repensar a relação com a eventual candidatura do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa. Há alguns dias, o mercado chegou a ficar relutante com uma possível chapa Barbosa-Marina. Mas, agora, começou a esboçar uma visão “um pouco mais positiva”, como definiu um operador, de que Barbosa não representaria exatamente uma “guinada à esquerda” – embora também não seja um reformista “a la Alckmin”, ainda o “preferido” do mercado. O colunista do Broadcast Fábio Alves destacou que a escolha do economista de Barbosa será acompanhada com lupa pelo mercado. “O nome é Paulo Hartung”, cravou um renomado economista brasileiro a esta coluna, escreveu Alves. Hartung (MDB) é o atual governador do Espírito Santo e amplamente conhecido como um político de perfil fiscalista – na última entrevista de Barbosa, concedida ao jornal Valor Econômico ano passado, Barbosa citou Hartung.

Na reta final do pregão, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, durante discurso em reunião no FMI, voltou a falar sobre o câmbio. Ele lembrou que o regime de câmbio flutuante não evita que o BC use instrumentos para conter a volatilidade excessiva. Reafirmou que o País tem US$ 380 bilhões em reservas, que funcionam como seguro para períodos de turbulência no mercado. E disse, ainda, que o sistema financeiro e o setor corporativo estão resilientes a flutuações do câmbio.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!