Ibovespa recupera perdas e fecha em alta de 1,48% – Jornal do Comércio

O Índice Bovespa ingressou em um movimento de recuperação ontem, depois de ter acumulado queda de quase 3% em abril. Contribuíram para isso o cenário de agenda fraca e a maior tranquilidade no Brasil e no exterior, que favoreceram a busca por ações com valores atrativos. Em terreno positivo durante praticamente todo o pregão, o índice terminou o dia em alta de 1,48%, aos 84.086 pontos.

O Ibovespa acumulava perda de 2,93% no mês até a segunda-feira, dia 16, totalmente descolado das bolsas de Nova Iorque, cujo desempenho em abril é positivo na mesma proporção. Pesou nos últimos dias a incerteza com o quadro eleitoral doméstico indefinido, enquanto a situação fiscal do País continua a exigir medidas consistentes. Lá fora, as tensões envolvendo Estados Unidos, China, Rússia e Síria também têm sido fator de volatilidade, mas a falta de notícias negativas favoreceu um novo dia otimista nas bolsas de Nova Iorque, como já havia sido observado ontem.

Na análise por ações, o dia foi de alta praticamente generalizada entre as blue chips da carteira do Ibovespa. Vale ON subiu 3,12%, apoiada pela alta dos preços do minério de ferro. Petrobras ON e PN subiram 1,83% e 1,99%, também incentivadas pela alta dos preços do petróleo.

Um dos destaques do dia foi a ação da BRF, que começou em baixa, incentivada pelas restrições às exportações de carne de aves do Brasil impostas pela Comissão Europeia. À tarde, a situação se inverteu durante a teleconferência de Luiz Fernando Furlan, indicado para presidir o Conselho de Administração da companhia, em substituição a Abílio Diniz. O discurso de coesão do herdeiro da Sadia foi bem recebido, e BRF ON terminou o dia em alta de 0,10%.

.

O dólar à vista fechou mais uma sessão em queda ontem, depois de, pela manhã, chegar a subir até os R$ 3,42. Investidores já apontam que a moeda opera agora num patamar de equilíbrio, na casa dos R$ 3,40. Diante da alta volatilidade dos últimos dias, operadores também identificam que, quando o câmbio escapa um pouco mais, para perto dos R$ 3,43, chama a realização de lucros.

No fim do dia, a moeda norte-americana fechou em R$ 3,4103, com baixa de 0,04%, diminuindo a tendência de queda da maior parte da tarde. O volume à vista não foi dos mais fortes, somou US$ 955 milhões. O dia foi de alta das cotações do petróleo no fechamento.

O banco também destacou as emissões externas de algumas companhias brasileiras nos últimos dias; além da realização de lucros, o mercado também falou em fluxo positivo ontem – financeiro e comercial.

Duas empresas realizaram emissões no exterior na semana passada. A Light captou US$ 600 milhões em títulos com vencimento em 2025; e o Banco do Brasil emitiu US$ 750 milhões com vencimento em 2023. Em 2018, as captações no exterior já somam US$ 14,3 bilhões e estão no radar ainda emissões corporativas externas da Andrade Gutierrez, Santander e Lojas Americanas.

O cenário político, apesar de sempre presente nas conversas dos operadores, impactou menos os negócios no câmbio, que oscilou mais em função de questões específicas do mercado.

O dólar perdeu força ante 17 das 31 principais moedas do mundo. O Banco Central vendeu os 3,4 mil contratos de swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). Até agora, já rolou US$ 1,190 bilhão dos US$ 2,565 bilhões que vencem em maio.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!