Ilan: Próximo governo terá de aprofundar reforma fiscal – Valor

NOVA YORK  –  Em palestra na Universidade de Columbia, em Nova York, nesta terça-feira (17), o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou que o próximo governo terá de trabalhar com o Congresso a aprovação das reformas fiscais para manter o ritmo da recuperação da economia brasileira. “Agora seria impossível conseguir os votos no Congresso, mas esta será uma das primeiras tarefas do novo governo”, afirmou.

Durante a introdução de sua fala, para uma plateia majoritariamente formada por alunos e acadêmicos da universidade, Goldfajn, que segue na quarta (18) para Washington, onde participa da reunião do FMI, apresentou projeções para a inflação, de 3,80% para dezembro de 2018, e 4,10% para o mesmo mês em 2019. A perspectiva do BC para o crescimento do PIB é de 2,8% em 2018 e 3% em 2019. “Nossos números são similares aos do mercado”, afirmou.

Goldfajn também afirmou que o governo não trabalha com a possibilidade de reduzir as metas de inflação até 2020. “Elas não serão mudadas. A meta da inflação de 2021 será decidida em junho pelo Conselho Monetário. Olhando a longo termo, 4% ainda me parece (um número) alto, mas vamos ver o que será decidido em junho”, afirmou.

O presidente do BC também afirmou, sem dar mais detalhes, que “seguirá estimulando a economia este ano”. Perguntado se a inflação baixa não oferece riscos para a aceleração do crescimento da economia, ele afirmou que “sim, daí o estímulo, mas os riscos são mais balanceados a médio prazo”.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!